quarta-feira, 16 de março de 2016

De Praga... - VI

No meu terceiro dia em Praga, Domingo, tinha planeado visitar o Bairro Judeu e depois passar para o outro lado do rio, para visitar o Parque Petřín.

Como já referi anteriormente, Praga é também a cidade das esculturas peculiares. Esta ficava mesmo ao fundo da rua do meu hotel. Passa muito despercebida, se não soubermos que ela existe e se não olharmos bem para cima.


É da autoria de David Černý, um artista checo que tem várias obras espalhadas pela cidade, e representa Freud, na indecisão entre continuar agarrado ou deixar-se ir.




Já no Bairro Judeu (Josefov), comecei pela visita ao Museu Judaico. É interessante mas... Não é nada do outro Mundo!


Este bairro funcionou como gueto de Judeus desde o século XIII, e ao longo dos séculos, os Judeus foram sempre confinados a esta zona da cidade. Apesar de, actualmente, já existir também muita construção moderna no bairro, neste bairro existem muitos edifícios muito bem conservados que representam a presença judaica nesta cidade e um dos melhores exemplos a nível europeu. Mesmo durante a ocupação Nazi, apesar de terem sido levados cerca de 80.000 judeus para campos de concentração só desta zona, toda esta área foi preservada porque Hitler tinha como objectivo criar ali o Museu da Raça Extinta...


Um dos edifícios mais impressionantes é a sinagoga Pinkasova (a segunda mais antiga em Praga). O que é mais impressionante aqui são as paredes da sinagoga, que nos anos 50 foram cobertas com os nomes dos cerca de 80.000 judeus desta região que foram vítimas do holocausto.  


Além dos nomes, foram pintadas a data de nascimento e de falecimento (quando se sabia). É arrepiante ver nomes de crianças de 4, 5 anos nestas paredes...


Eu não sou uma pessoa muito impressionável, nem particularmente sensível a este tipo de coisas, mas foi para mim um verdadeiro murro no estômago. Senti-me completamente esmagada, sem palavras, a sentir-me obrigada a demorar-me em frente a cada um daqueles nomes como se os quisesse homenagear. É inexplicável.

Mas o pior estava para vir. E dessa parte não tenho fotografias. Dentro desta sinagoga há uma exposição de desenhos feitos por crianças no Campo de Terezín - que não era um campo de extermínio, era um campo de concentração que era usado com fins de propaganda, pelo que era menos mau (se tal é possível!...). Ainda assim, os desenhos daquelas crianças, dos seus sonhos, dos seus desejos, das memórias que tinham da vida antes do campo, mexe com qualquer pessoa...



Depois deste momento mais pesado, passei para o Cemitério Judeu. Neste cemitério, que foi usado entre os séculos XV e XVIII, estima-se que tenham sido enterrados cerca de 12.000 judeus. Como? Em camadas... Há locais em que foram feitas 12 camadas!... Daí que o amontoado de lápides tenha este efeito curioso.


Uma das coisas que achei curiosa, porque desconhecia completamente esta tradição judaica, foi o facto de muitas das sepulturas terem pequenas pedras colocadas em cima.


É o verdadeiro caos de lápides!... Regra geral, não são muito trabalhadas, mas as mais recentes já têm alguma decoração. 



Daqui, segui para a sinagoga Espanhola, junto à qual temos mais uma estátua. Desta vez, em homenagem a Kafka (que viveu nesta zona).



A sinagoga Espanhola impressiona pelo seu estilo e pela decoração completamente diferente das outras. É também a mas recente da cidade (meados do século XIX).






Depois de visto o Bairro Judeu, segui junto ao rio para o atravessar e ir para o parque.



Pelo caminho, passei por este curioso ginásio. Que tipo de aulas decorrem lá, deixo à vossa imaginação.


Num dos extremos do parque, o que eu usei para entrar, está este monumento ao comunismo. Mais uma escultura curiosa!... 


É uma escultura mais pesada, em que vamos vendo os corpos cada vez mais desfigurados, conforme vão estando mais longe. É mais uma representação da forma como os checos olham para este período da sua História.


Depois de muito caminhar e subir, cheguei à torre Petřín, construída em meados do século XIX, e com algumas semelhanças à Torre Eiffel. Para chegar lá acima sobem-se 299 degraus.


A vista é espectacular (pena que o dia não estivesse grande coisa) mas, confesso, tive medo. Eu não costumo ter vertigens mas lá em cima a torre abanava com o vento e a sensação não era muito agradável. A descida custou-me bastante e achei que ia ter um ataque de pânico...



Já cá em baixo, depois de me sentar a descansar uns minutos, fui a outra das atracções deste parque: o Labirinto dos Espelhos.


É engraçado. Mas é só isso!...


Como se ainda não bastasse... Dei corda às botas e fui em direcção ao Mosteiro Strahov, numa corrida contra o tempo. Quando lá cheguei, disseram-me que a igreja já estava fechada... Continuei a correr para aquele que era o meu objectivo: a biblioteca.


E consegui!... Ou melhor, consegui estar lá dez minutos, porque depois disso começaram a correr comigo... Mesmo tendo pago o bilhete e tendo pago ainda um extra para poder fotografar (têm olho para o negócio, os checos!).


As fotografias não estão grande coisa (não é fácil fotografar com uma senhora com um ar assustador e com o dobro do nosso tamanho a gritar "closing, closing"), mas esta foi considerada uma das bibliotecas mais bonitas do Mundo. Ainda não vi todas as bibliotecas do Mundo, mas esta é muito bonita, sim!


 Já sem pressão de horas, perdi-me por Malá Strana. Literal e figurativamente.


Tão a minha cara!...


Em Praga comi muito... Não tivesse eu feito também muitos e muitos quilómetros (neste dia foram mais de 15, certamente...), e tinha voltado a rebolar... Na imagem: chocolate quente e strudel de maçã.


O principal problema daquela terra é ter muitos cafés e restaurantes muito giros, com muita comida boa e tudo com preços muito acessíveis. É impossível resistir!...


Entretanto apanhei uma molha, ficou de noite, e resolvi dar uma volta para fazer algumas compras.


Sim, é o Kamasutra em versão chocolate. Esta loja era o paraíso do chocolate. Desde bombons de tudo e mais alguma coisa, a chocolate em barra para ser vendido ao peso, a chocolates com mensagens personalizáveis na hora... O paraíso na Terra!


Praça da Cidade Velha à noite.


E foi um dia muito agitado... Cheguei ao hotel completamente de rastos... Com dores nas pernas e nos pés como nunca tive depois de correr!... Mas de alma cheia e com aquela sensação boa de ser uma sortuda por poder ter o privilégio de conhecer Mundo. Depois de tudo o que vi e aprendi neste dia, não havia como não me sentir imensamente grata pelas coisas boas que tenho na minha vida. E foi nestes espírito que passei a meia-noite e entrei nos 32.





1 comentário:

  1. Parece-me um bom dia de aniversário.
    O ano passado também "fugi" para longe nesse data mas não foi nada de especial (até porque os problemas levei-os comigo).

    Boas viagens!

    ResponderEliminar