sábado, 10 de dezembro de 2011

Do Natal e dos Presentes...

Eu gosto do Natal. Gosto mesmo muito. 

Gosto das decorações nas ruas. Gosto da árvore de Natal. Gosto do Pai Natal. Gosto do Bolo-Rei e das azevias. Gosto das bolinhas, das fitinhas e das estrelinhas. Gosto de estar horas sentada à mesa. Gosto dos abraços, dos beijinhos, das conversas sem fim.

E gosto dos presentes. Gosto de os dar. E gosto, claro, de os receber. Fica bem dizer que gosto mais de dar do que de receber. Mas até é verdade. Sobretudo, desde que aderi à moda de ser eu a fazer muita coisa. Ontem estive a embrulhar os presentes que comprei "já feitos", e o simples facto de os embrulhar diverte-me imenso. Gosto destas coisas.

E este ano custa-me não poder dar os presentes todos que gostava de dar. Este ano custa-me estar a contar tostões. Custa-me. Porque eu gosto de dar. Gosto dos sorrisos de quem recebe. Gosto do brilho nos olhos. Gosto mesmo. E, este ano, entristece-me o receio de que isso não aconteça. Já sei, já sei. O valor não conta, conta a intenção. E a intenção é a melhor, sem dúvida. Mas há tanta coisa que eu gostava de dar aos outros e não posso... 


Tudo isto me faz pensar na minha vida actual. E entristece-me. Entristece-me chegar a esta idade e andar a contar tostões para dar aos meus um décimo do que eles merecem. Entristece-me. Pronto. Claro que, quando estiver na cozinha de volta de licores, bombons, bolachas, azeites, e outros que tais, não vou pensar nisto. Claro que, no dia 23, quando estivermos à volta da mesa, e da lareira, e na conversa, e a trocar presentes, eu (talvez) não pense muito nisto. Mas, hoje e agora, entristece-me.



E não, a culpa não é do Governo. É nossa. É vossa. É minha. E é isso que me entristece.

8 comentários:

  1. Podemos ter um Natal sem prendas mas com muitas memórias, e boas. Isso é que conta.
    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Partilho das tuas palavras. Mas não podemos deixar que isso nos afecte tanto.
    Ainda há coisas muito importantes que não custam dinheiro! E só alguns sabem usufruir delas.
    Espreita o desafio no meu blog :)
    Beijinho doce :)

    ResponderEliminar
  3. Querida Agridoce, estive a ler a tua saga sobre Londres e espero que já estejas melhor do teu tornozelo!
    Quanto às prendas de Natal, o que interessa é que te lembras de cada um, e para a próxima oferecerás as prendas que idealizares. Quem sabe, até com embrulho Londrino!! ;)

    ResponderEliminar
  4. A culpa é nossa? Mas é que podes crer que não, não é nossa.
    E tu comemoras o Natal cedo, logo a dia 23? :p

    ResponderEliminar
  5. É verdade que pode soar a cliché, mas sinto o mesmo que tu. Sem dúvida que gosto mais de dar do que receber. Gosto de ver a expressão das pessoas quando recebem algo que faz sentido para elas, quer estivessem à espera ou não. Dá-me imensa satisfação. E também desde que aderi aos presentes feitos em casa, parece que o Natal ainda ganhou mais encanto. Pelo menos tem-me dado muita, muita alegria e uma grande dose de entusiasmo pensar nos presentes a fazer e depois meter as mãos na "massa". Vive-se o espírito natalício com outra emoção.
    Este texto poderia ter sido quase todo escrito por mim, excepção feita à parte do dia 23 de Dezembro :P Cá em casa sempre me reuni com a família e abri presentes no dia 24 à noite (eu se que deve ser engano...).
    É verdade que o orçamento este ano está mais magrinho e tenho tido ainda mais cuidado nos gastos, mas ninguém ficará sem presente. E o melhor de todos os presentes pode ser sempre dado ao longo do ano, seja em que formato for...
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  6. Carlita!! Já consegues comentar! Ainda fui pedir ajuda no suporte, mas até hoje nada... Ainda bem :)

    E sim, o Natal da família este ano é a 23. Vidas complicadas, dá nisto. É da maneira que celebro a 23, a 24 e a 25. :D

    ResponderEliminar