quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Das corridas e dos balanços...

Como já aqui referi, 2016 foi, para mim, o ano das corridas. Foi no final de 2015 que participei na primeira prova a sério, e 2016 foi o continuar dessa paixão que surgiu aí.

2016 foi o ano em que eu percebi que gostava mesmo de correr, e a importância que isso tinha para mim.

Eu nunca fui pessoa de fazer muito exercício. Fiz natação durante muitos anos, mais por imposição de Senhor Meu Pai do que por vontade própria, fiz uma ou outra incursão por um ou outro ginásio, mas nunca nada muito consistente.

Ver-me a correr desta forma, e a gostar!, foi uma surpresa para mim e, acredito, para muita gente à minha volta.

Sim, correr é uma moda. Mas se é para ir em modas... Que seja numa moda que me ajude a tirar o rabo do sofá e a fazer alguma coisa pela minha saúde e pelo meu bem-estar (físico e mental).

Agora que 2016 terminou, achei que era a hora de ir registar todas as provas em que participei. Claro que, a esta distância, é possível que me tenha falhado alguma coisa... Mas consta que participei em 20 provas. 20! Foram muitas provas, incluindo a minha primeira meia-maratona (e mais duas, depois dela).

Noto que não fui muito consistente. Houve 4 meses em que não fiz prova nenhuma, 4 meses em que fiz 3 provas, e um mês em que fiz 4 provas (um exagero!).

Aprendi muito em 2016. Aprendi com os erros e sofri com as dores. Percebi que tenho de levar a corrida mais a sério, se quero ter sucesso. Percebi que tenho de levar a corrida menos a sério, se me quero divertir. Percebi que este equilíbrio é fundamental, se me quero manter motivada e focada nos meus objectivos. 

Ao longo do ano, tive muitos altos e baixos. Como na vida. Houve muitas alturas em que questionei tudo e quis desistir, e houve muitas alturas em que me senti profundamente grata pela generosidade dos que me rodeavam, pelos que correram comigo, pelos que me incentivaram e não me deixaram desistir.

Acabei 2016 na São Silvestre de Lisboa, a fazer o meu melhor tempo de sempre numa corrida de 10km, mais uma vez, graças à generosidade de quem teve a paciência de me acompanhar ao longo de mais de metade da prova, puxando por mim, espicaçando-me, dando-me dicas, e obrigando-me a fazer aquilo que eu era perfeitamente capaz de fazer mas de que duvidava.

Os objectivos para 2017 são ambiciosos, não estão ainda inteiramente definidos, e está em cima da mesa a possibilidade de começar o ano a cometer uma grande loucura (ou um perfeito disparate). Mas, mais disparate, menos disparate, o que importa é que 2017 continue a ser um ano de muitas e boas corridas.

12 comentários:

  1. Palavra chave: equilíbrio!
    Que continues a tê-lo sempre. Ou que tenhas alguém que te relembre dele sempre que necessário. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É aprender com os erros de 2016, e lutar por esse equilíbrio em 2017 :)

      Eliminar
  2. Admiro quem tem essa força...acredita...da última vez que tentei fazer umas corridas tive uma fractura de esforço no joelho...pois...vida de sofá dá nisto.

    boas corridas


    -___-

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então não te falta a força, falta-te o joelho :)

      Obrigada!

      Eliminar
  3. Clap, clap, clap! Orgulho em ti! Tirar o rabo do sofá também é a minha palavra de ordem desde Outubro. :) Beijoca!

    Pinhas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, minha querida :) Acho que fazes muito bem! É tão importante para a nossa saúde!

      Um beijinho

      Eliminar
    2. Para a nossa saúde e para a nossa auto-estima, que, por aqui, tem estado em baixo há demasiados anos. ;) ***

      Eliminar
    3. Hmm... Espero que isso se resolva rapidamente! Não tens razões nenhumas para isso ;)

      Eliminar
  4. Correr pode estar na moda mas quem entra na corrida apenas por moda, faz parte daquela estatística que afirma que um número alto de novos corredores já não corre ao fim de dois anos.

    De início é sempre bonito e com a evolução, tudo corre às mil maravilhas. Depois começam as dificuldades e só continua quem tem algo que não atinge todos: Prazer em correr.

    Quem tem prazer em correr, supera sempre os momentos menos conseguidos, pensando na próxima. Porque o prazer de corrida funciona como uma droga potente mas boa, muito boa mesmo.

    E do texto, há algo que salta logo à vista, a frase "ver-me a correr desta forma, e a gostar!" diz tudo.

    O prazer está aí, portanto é continuar pois correr é uma descoberta contínua de novas sensações e a redescoberta constante das sensações já conhecidas.

    Força! Um excelente ano de 2017 em todos os aspectos e nas corridas! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ainda não corro há tempo suficiente para poder falar muito mas espero, honestamente, que tenha sido uma moda que veio para ficar, no meu caso.

      Espero continuar a sentir este prazer e a descobrir essas sensações :)

      Obrigada, igualmente! Muitas corridas em 2017 :)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Obrigada! Um excelente ano para ti também ;)

      Eliminar