quinta-feira, 14 de julho de 2016

Dos murros no estômago... - II

Comecei o meu dia feliz e contente: custou-me acordar porque ontem me deitei tarde por bons motivos, vesti uma roupa que me faz sentir bem, comi umas panquecas maravilhosas, havia imensos lugares para estacionar ao pé da estação de comboios, o dia de trabalho previa-se calmo e os planos para o fim do dia eram maravilhosos.

E depois recebo uma SMS. Deste amigo. A dizer que a mãe faleceu esta noite. E eu vinha no comboio e fiquei sem ar. Fiquei, literalmente, a olhar para o telemóvel de boca aberta. Fiquei de lágrimas nos olhos. E, de repente, pus toda a minha vida em perspectiva.

Não imagino o que é alguém com a minha idade perder o pai e a mãe em três meses e meio. Não imagino sequer o que é perder um deles. Os dois então, custa-me só tentar imaginar... O que é que se diz nestas alturas? Que vida é esta? O que será ter de lidar com isto e ultrapassar algo assim?... Não imagino...

E isto fez-me pensar, mais uma vez, no quão privilegiada sou. No quão grata devo ser e estar todos os dias. No valor que devo dar às minhas pessoas enquanto cá andam. Porque, quando elas deixarem de cá andar, o que vai ficar mesmo são os bons momentos, as memórias, as coisas boas.

Hoje vou, mais uma vez, lembrar-me que as minhoquices com que perdemos tempo e nos chateamos, são isso mesmo: minhoquices.

A p*ta da vida é tão curta, caramba... Vamos vivê-la, sim?


6 comentários:

  1. Bolas!!! Como é que se ultrapassam duas perdas tão gigantes em tão pouco tempo, como se continua? Nem consigo imaginar, dói demais. Por que só damos valor quando acontece algo tão dramático e depois continuamos a preocupar-nos com coisas de nada?! Somos estranhos...
    Muita força para o teu amigo e para ti para o poderes apoiar.

    ResponderEliminar
  2. Já algumas vezes vim aqui e tentei passar-te alguma força e tentei que questionasses o que pudesses...precisamente por isto. Eu sei o que isso é...perdi o meu 1º namorado, perdi um irmão, perdi o meu pai e ...algo mais que nem consigo dizer. A minha familia actualmente é mae, marido e sobrinhos (filhos desse irmão que faleceu). É sim horrivel. Não há palavras. E portanto a minha mensagem sempre para as outras pessoas é APROVEITEM CADA DIA, VALORIZEM as coisas boas por pequeninas que sejam. Nem todos temos a mesma força é certo (juro que compreendo), mas nessas alturas horriveis somos forçados a aguentar. Então...vamos começar a viver HOJE...Vamos reformular a visão negativa da vida (os Portugueses em geral são demasiado pessimistas, para baixo). No futebol conseguem aquele clima de união e felicidade...ok...optimo...mas vamos tentar ser mais positivos noutras circunstancias. Eu digo TENTAR. Não significa que seja fácil, não significa que consigamos logo. Somos humanos. Não controlamos tudo, claro. Mas...TENTEMOS.
    Não penses agora no que poderá ser essa parte má. Limita-te a viver o melhor que conseguires. FORÇAAAA !!!
    O resto faz parte da vida e ...em cada momento a Natureza há de nos ajudar.
    Um abraço.

    PS- desculpa o testamento. Juro que tem boa intenção :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tens nada que pedir desculpa, só tenho a agradecer :)

      Eu acredito cada vez mais nesse espírito, no pensar positivo, no agradecer o que temos, e vivo muito a minha vida assim. Ainda que nem sempre pareça, por aqui! Mas isso é porque uso o blogue, precisamente, para exorcizar as coisas más da minha vida. Aqui, despejo as energias negativas todas, os medos e as angústias, para ficar mais leve para aproveitar e viver a vida lá fora :)

      Um beijinho!

      Eliminar