segunda-feira, 16 de maio de 2016

Das coisas que me passam pela cabeça durante um concerto do António Zambujo...

Não te perdoo que me tenhas estragado. Porque foi isso que tu fizeste. Estragaste-me.

Não te perdoo que me tenhas deixado assim, feita em pedra, fria, dura, inquebrável.

Não te perdoo que me tenhas deixado fechada para o mundo, virada para dentro.

Não te perdoo. Como não te perdoo tantas outras coisas.

Mas o que é que isso importa?...

2 comentários:

  1. Um dia, mais próximo ou mais afastado no tempo, voltarás a ser a mesma. As desilusões amorosas servem para aprendermos com elas e para alterar o curso da vida, não para nos mudar radicalmente. O que tu foste vais continuar a ser. Estás ferida e a pessoa que tens sido está "hibernada", mas um dia acordará e ressurgirá com toda a força que, tanto quanto consigo perceber pelo que leio, te caracteriza. Come on!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas mudam, tudo nos muda. Às vezes, para melhor, outras vezes, para pior. A própria vida nos torna mais duros, mais brutos, mais frios. Faz parte do crescimento :)

      Eliminar