quarta-feira, 9 de março de 2016

Do melhor Professor de sempre...

Eu não tive muitas relações amorosas muito significativas na minha vida. E, regra geral, sempre continuei a falar com as pessoas com quem estive envolvida, sem grandes problemas. Inclusivamente, graças a essa maravilha que é o Facebook, mantive o contacto com algumas delas, que andam por lá nos meus Amigos.

Mas houve duas excepções, as duas relativas às duas relações mais importantes que tive. Em ambos os casos, após o fim da relação, os meus exs acharam por bem deixar de ser meus amigos naquela rede social. Num dos casos, fui mesmo bloqueada, e ainda fui "desamigada" também no LinkedIn e no Instagram. Na altura, isto ainda provocou algumas gargalhas entre as minhas pessoas, e em mim mesma, por achar muito sem sentido e por não compreender. Sobretudo, porque em ambos os casos, continuam amigos de elementos da minha família e de amigos meus. Mas, dizia eu, na altura achei ridículo e ri-me.

Mas o tempo, esse que é o melhor Professor de sempre, voltou a fazer das suas. E, hoje em dia, engulo cada palavrinha que disse anteriormente. E compreendo. E percebo tudo com uma brutalidade atroz. O que eles fizeram não foi mais do que protegerem-se. Não foi mais do que aplicar o famoso "longe da vista, longe do coração". O que eles fizeram, não foi ridículo. Foi a mais pura das demonstrações de amor. De quem não suporta lidar com lembranças constantes de algo que já não faz parte da sua vida. De quem quer esquecer e não consegue. 

Agora percebo. Percebo perfeitamente. De cada vez que sinto o estômago às voltas e um nó na garganta por me aparecer, mais uma vez, o teu nome no feed, eu percebo. Eu percebo e reduzo-me à minha insignificância. E volto a interiorizar a lição que tenho praticado nos últimos tempos: julgar menos os outros. Porque, quando damos por isso, nós somos os outros.

6 comentários:

  1. A vida ensina-nos muitas coisas. Só temos de estar disponíveis para aprender e aplicar.
    E essa de não julgar, de tentarmos pôr-nos no lugar do outro antes de tecer comentários sobre as suas decisões... essa é das lições mais difíceis de interiorizar.

    ResponderEliminar
  2. Faço parte do gangue dos teus ex. Acabou? Bloqueio. Não quero saber nada. Quem sabe um dia mais tarde...?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nunca senti essa necessidade... E apesar de agora continuar a não o fazer, já consigo perceber quem o faça!...

      Eliminar
  3. Pois eu também pertenço ao clube que mais vale longe da vista para desaparecer no coração. Sempre o fiz, é uma capa protetora, resulta e acelera o processo. Estou pela 1ª vez a fazer o contrário e não sei se será bom...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum... Eu ainda não percebi bem... Mas olha, quanto mais não seja, é um exercício de força e resistência! Ahahah :)

      Eliminar