terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Das coisas que me irritam...

Irritam-me as coisas que me dizes.

Não sei ao certo se me irritam por serem irritantes, se por serem verdade.

Percebo o que me dizes, percebo os teus argumentos. Concordo com alguns, discordo de outros.

Percebo que queiras o melhor para mim. Mas saberás tu o que é o melhor para mim? Saberás melhor do que eu? O que eu acredito que é o melhor, é o mesmo que tu acreditas que é o melhor?

Quando me dizes as coisas que dizes, quando entras pelo meu peito e com as tuas mãos remexes o meu eu mais profundo, quando trazes ao de cima aquilo que me dá tanto trabalho a esconder, quando tocas em todas as feridas, quando ainda atiras álcool, quando não me deixas ficar sem resposta e me prendes para que não possa fugir, estarás a fazer o que é melhor para mim?

Não será o melhor para mim ficar no meu canto, no meu sossego, na minha bolha e no meu mundo? Não será o melhor para mim manter este equilíbrio forçado, esta máscara dia e noite, este armário cada vez mais carregado, este peito a transbordar?

Não será?

4 comentários:

  1. NUNCA será o melhor ficar no teu canto, no teu sossego, na tua bolha e no teu mundo. NUNCA será o melhor manter qualquer equilíbrio forçado, uma máscara dia e noite e o peito a transbordar. É o escape mais fácil, é o meu escape também. Mas nunca será o melhor. Livrarmo-nos de tudo isso é que é o mais importante! O DESAFIO! Não estás sozinha. Cada um tem o seu momento. Só que remos é que chegue o mais depressa possível. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao longo dos anos senti tantas vezes que temos tanta coisa em comum e que muito do que escreves podia ter sido escrito por mim!... Obrigada pelas tuas palavras e que elas te inspirem também a ti própria. Um beijinho!

      Eliminar
  2. Liberta-te das máscaras e permite-te viver com a tua realidade, vais ver que compensa! Beijinhos e força nisso

    ResponderEliminar