segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Das coisas que eu não te digo...

Sim, penso em ti. Sim, tenho saudades tuas. Sim, várias vezes ao dia tenho vontade de pegar no telemóvel e ligar-te. Apetece-me ouvir a tua voz. Apetece-me ver-te. Apetecem-me os teus beijos. Demos tantos beijos e não demos os suficientes. Vou ter saudades das coisas que me dizias. Já tenho, aliás. E vou arrepender-me das coisas que não te disse. Já me arrependo, aliás. Não te dei o suficiente. Não me dei o suficiente. Tu conhecias as minhas circunstâncias. Tu sabias que eu não estava preparada para isto. Mas insististe. Mas quiseste tentar. E eu sabia, eu tinha a certeza, que não ia correr bem. E deixei-me levar por ti, pelas emoções, pelo momento. Deixei-me levar pelas horas infinitas de conversa pela noite dentro. Deixei-me levar pela força e confiança que insistias em dar-me. Deixei-me levar pelos elogios e incentivos constantes. Deixei-me levar pela tua loucura e pelos teus impulsos. Deixei-me levar pelos teus planos e projectos de futuro. Deixei-me levar pela magia da nossa história. Deixei-me levar pelo que me fizeste sentir, como nunca ninguém. Deixei-me levar por ti. Porque foste tu que nos levaste. Desde o primeiro dia. Contra mim e contra tudo o que eu queria.

E não te vou perdoar nunca por me teres levado para tão longe, para tão-somente me deixares à deriva.

2 comentários:

  1. Força querida! Espero que um dia haja alguém que valha a pena e te faça esquecer todas as tuas amarguras!

    ResponderEliminar