sábado, 21 de novembro de 2015

Das coisas que me entristecem...

As pessoas. As pessoas entristecem-me muito.

Sou aquela que se faz de fria e bruta, que é conhecida no local de trabalho como "a que não gosta de pessoas", vivo fechada na minha bolha e sou muito pouco sociável.

Mas a verdade, a verdade é que no fundo sou uma romântica incurável e terrivelmente ingénua, que fica magoada quando se apercebe do que é o mundo real.

Tenho sempre dificuldade em lidar com a maldade, com a crueldade, com a indiferença, com o desrespeito. Não consigo aceitar certos comportamentos das outras pessoas e fico mesmo triste com eles. Mesmo quando não é nada comigo.

Fico muitas vezes a pensar como será possível. Pergunto-me o que terão algumas pessoas no lugar do cérebro, para terem certas atitudes.

E não falo de nada em concreto. E, ao mesmo tempo, falo de tudo.

Falo de comportamentos mesquinhos, falo de prejudicar um colega, falo dos comentários anónimos e ofensivos por aqui, falo de guerras dentro das famílias por coisas sem importância, falo de passarmos à frente de alguém numa fila, falo de não respeitarmos o próximo, falo de não darmos valor aos compromissos e promessas, falo da nossa indiferença perante a dor do outro, falo da falta de capacidade para olharmos além do nosso umbigo.

A nossa sociedade está cada vez mais podre. Mais sem valores. Mais pobre.

E isso entristece-me. Porque, na verdade, ainda não me tornei fria e cínica o suficiente para aceitar que assim é. Porque, na verdade, ainda não consigo acreditar que há pessoas intrinsecamente más. Porque, na verdade, não compreendo, e nunca compreenderei, como é que alguém magoa alguém de ânimo leve. Porque, na verdade, eu gosto tanto da minha bolha porque na minha bolha posso acreditar num Mundo melhor. E eu preciso desesperadamente de acreditar num Mundo melhor. É isso que me mantém viva.

7 comentários:

  1. Identifiquei-me tanto com o teu texto! Também sou muito assim, fico muitas vezes magoada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mais forte do que nós, não é?

      Eliminar
    2. Pois. Levo tudo muito a peito, acho que as pessoas são todas minhas amigas, depois fico magoada e acabo por preferir estar sozinha. Se calhar se acreditasse menos nas pessoas e confiasse menos, ou achasse que eram todos maus ao início, as coisas correriam melhor, porque só me poderia surpreender pela positiva.

      Eliminar
  2. Acreditar num mundo melhor...sim, mas cada vez mais difícil. Eu acredito que há pessoas más, e magoa-me a insensibilidade das pessoas, por outro lado, gosto das acções que demonstrem a bondade e a preocupação pelo bem estar dos outros. Vamos continuar a acreditar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas como é que há pessoas más?... Custa-me tanto a crer!

      Eliminar
  3. Revi-me neste post. Trabalho num sítio onde o ambiente não é dos melhores sem que nada explique isso. Não sou bruta, mas sou sozinha. Muito. Almoço todos os dias sozinha e faço a minha vida no meu gabinete. De um modo geral só falo com a pessoa que tem mesmo de ir ao meu ganinete porque é das poucas que se aproveita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu passei quase três anos a almoçar sozinha, até que chegou uma colega nova que se tornou uma grande amiga :)

      Mas sou daquelas que acha que não é por trabalharem juntas, que as pessoas são obrigadas a conviver e a dar-se. Mesmo!

      Eliminar