terça-feira, 10 de março de 2015

Das perguntas sem resposta...

Hoje no Shiuuuu... a pergunta do dia era: "Se o karma existir, o que mereces receber da vida?".

Não respondi. Aliás, raramente comento por lá, mas fico muitas vezes a pensar no que lá leio.

Hoje não respondi por não ser capaz. A verdade é que a resposta a esta pergunta obriga a um grande exercício de auto-avaliação.

Temos todos assim tanta certeza que só fazemos o bem e, por isso, só merecemos coisas boas?

Pelos vistos, pela caixa de comentários, a larga maioria das pessoas acha que sim.

Eu, sinceramente, não me sinto capaz de responder.

Já fiz muito mal. Em tempos idos, é certo. Mas fiz. E também já recebi muito mal. Mas não sei bem como funciona a balança do karma e não sei se já terei equilibrado as coisas.

O que sei é que nos últimos anos tenho tentado praticar o bem. Porque sim, acredito no karma. Podia acreditar num qualquer deus, podia acreditar em recompensas e castigos, podia acreditar no Céu e no Inferno. Mas acho que no fundo tudo se resume no mesmo: pratica o bem, e recebes o bem.

Tento acreditar nisso. Mesmo nas fases mais difíceis em que as coisas boas são apenas uma miragem. Tento acreditar. Tento continuar a praticar o bem.

Ainda assim, perante esta pergunta, tenho muita dificuldade em responder peremptoriamente que só mereço receber coisas boas da vida.

Não mereço. Duvido que alguém mereça.

Mas isto sou eu.

2 comentários:

  1. Francamente acho que sou boa pessoa (não desejo mal a ninguém mesmo aqueles com quem não simpatizo, não gosto de mentiras, trabalho, desejo a paz em geral...) mas por outro lado mereço a solidão porque de modo paradoxal sempre a procurei. Vivo diariamente rodeada de gente (o emprego assim exige) e até gosto de comunicar, mas depois sinto necessidade de estar sozinha.Lido bem com os aspectos pragmáticos da vida, mas mal com sentimentos (sou um bocado egoísta neste campo). Basicamente sou pouco dada a eles e é mais que natural que um dia isso se vire contra mim. Tenho essa consciência. É o meu lado negativo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, eu em geral também me acho boa pessoa, mas tenho algumas falhas. Essa que referes também me afecta. No escritório sou conhecida como "aquela que odeia pessoas" (na brincadeira, claro), mas a verdade é que também sou pouco dada e não sou particularmente simpática. Não sei se é um lado negativo, acho que é uma forma de estar, que certamente tem as suas razões de ser :)

      Eliminar