quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Das conclusões óbvias...

Sabes que estás mesmo a precisar de férias quando ficas feliz por te lembrares que amanhã vais fazer uma endoscopia e, consequentemente, não virás trabalhar.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Da educação no nosso país...

Digam o que quiserem. Que os professores são uns pobres de Cristo. Que não têm condições. Que têm cada vez mais alunos. Que as escolas caem aos bocados. Que os cortes são mais que muitos. Digam o que quiserem e eu aceito.

Mas na prova de avaliação que lhes foi feita houve 63% que deram erros ortográficos na elaboração de um texto (dados do Público). Sessenta e três por cento dos professores avaliados nesta prova não sabem escrever português correctamente.

Assim sendo, quem é que me explica que são estes os professores que queremos para os nossos filhos/irmãos/primos/vizinhos? 


Um dois três, diga lá outra vez...

Das dietas...

Eu sei que já venho tarde, que nesta altura já toda a gente fez todas as dietas que tinha para fazer, mas eu andei a pesquisar sobre o assunto e fiquei intrigada...

Há mesmo quem aguente só comer uma peça de fruta ou um iogurte ou uma barra de cereias no lanche a meio da manhã ou da tarde? A sério? E não morrem de fome?

O que eu não dava para aguentar tal coisa, Senhores! Eu passo a vida a comer. Eu tenho sempre de comer. Eu tenho sempre fome. Desculpo-me com os problemas de estômago, mas a verdade é que eu preciso mesmo de comer com frequência...

Ainda assim, vou experimentar acrescentar uma peça de fruta ao pequeno-almoço, para ver se não tenho tanta fome durante a manhã. Vamos ver se resulta.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Das coisas que eu descubro em vagueando pela blogoesfera...

Pois que há quem tire fotos de outfits enquanto aperta os atacadores dos ténis. E pois que há quem goste.

E parece também que virou moda fazer posts com os produtos que se acabaram de usar. Encontrei não um, não dois, mas vários blogs com essa informação tão pertinente e sem a qual não saberia viver.

E sim, estou a precisar de férias. Este fel todo é o primeiro sintoma.

Do meu querido mês de Agosto...

Não há nada como chegar à estação de comboios do costume e ter apenas uma, repito, uma pessoa também à espera do comboio.

Bem-vindo Agosto.