sábado, 31 de março de 2012

Dos momentos marcantes na nossa vida...


Sabemos que uma relação tem pernas para andar quando, pela primeira vez, estamos juntos a pintar uma parede a um Sábado de manhã.

sexta-feira, 30 de março de 2012

Das dúvidas matinais... - II


Sabemos que andamos a fazer alguma coisa mesmo muito errada com o nosso blogue quando...

... recebemos um e-mail em que o conteúdo é, apenas e só:


Saí do Serasa e Spc
sem pagar as dividas
em 24 horas

quarta-feira, 28 de março de 2012

Dos jogos ilegais...

Hoje, consulta na Medicina do Trabalho.


Aceitam-se apostas quanto aos valores do meu colesterol.

terça-feira, 27 de março de 2012

Das conclusões mesmo muito importantes... - II

Sabemos que ainda não estamos assim tão crescidas quando...




Um vestido Pepe Jeans em tamanho 16 nos serve...

segunda-feira, 26 de março de 2012

Das conclusões mesmo muito importantes...

Sabemos que estamos crescidas quando...


Nos últimos 7 dias, em 5 andámos de perna à mostra...

Das dúvidas matinais...

Sabemos que andamos a fazer alguma coisa errada com o nosso blogue quando...

... recebemos um e-mail em que o assunto é:



A máquina do tempo é o mistério de Deus?

sábado, 24 de março de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 77


Há uma semana atrás, algures no Restelo...

sexta-feira, 23 de março de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day não faço ideia...


Leitura de sexta-feira à noite...

Das notas mentais...

Eu e os jogos, os jogos e eu, é coisa que não funciona.

Das actualidades...

Eu gostava mesmo, mesmo, mesmo de ter tempo para actualizar isto e para ler o que se tem passado por aí.

Mas, confesso, a adaptação ao emprego novo, em conjugação com o emprego antigo, com o projecto da bolsa e respectivo colóquio no próximo mês, e com uma mini tentativa de ter alguma vida pessoal,não tem sido fácil.

Lá para Agosto isto deve melhorar.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Dos momentos... Ou das frases soltas...


O momento em que deixamos de ser crianças, em que crescemos irremediavelmente, é o momento em que a morte se torna banal.

terça-feira, 20 de março de 2012

Dos trabalhos... Ou do meu futuro...

Se não me despedirem (com justa causa) do emprego número um por estar sempre a cantarolar no meu posto de trabalho, mandam-me internar no emprego número dois por chegar às seis da tarde e pedir no bar uma sopa.

Do que eu leio por aí...

“Estás apaixonado por mim. Só que ainda é um pouco cedo para te dares conta disso. Quem sabe se quando o souberes seja tarde de mais. Não é uma certeza. É uma aposta.”

O engano, em O mundo é tudo o que acontece, de Pedro Paixão


E, de repente, deu-me uma vontade imensa de voltar a ler Pedro paixão...

Das coisas que me intrigam deveras... - IV

Obrigada pela maravilhosa aderência.

Obviamente que o número de visitas foi amplamente maior que o número de comentários mas foi bom descobrir alguns leitores novos que nunca se acusam e outros menos novos, que se deram ao trabalho de dar sinais de vida. Obrigada. Mesmo.

Agora podemos regressar à normalidade: eu a escrever disparates sem fim, as visitas a crescer e zero comentários em metade dos posts.
  

segunda-feira, 19 de março de 2012

Das coisas que me intrigam deveras... - III


Há coisas que eu não percebo... Não percebo mesmo.

Esta coisa da blogosfera é uma delas. Já cá ando há muitos anos e continuo a não perceber.

Intriga-me, profundamente, saber quem anda desse lado, a ler.

Intriga-me, sobretudo, nos dias em que eu tenho centenas de visitas e zero comentários.

Intriga-me e assusta-me.

Há pessoas que eu sei que lêem e não comentam nunca. Há outras que eu sei que lêem e só comentam às vezes. E há todas as outras que eu não faço ideia de quem sejam e que passam aqui às dezenas, sem dar um sinal de vida.

É estranho, não?

Faz parte, eu sei. Ando há anos nisto, a escrever para o Mundo, e agora de repente lembrei-me que não sei se me agrada que o Mundo me leia. Sou tolinha, já sei. Mas a verdade é que me intriga.

Por isso, e para que a minha Segunda-Feira seja alegre, lanço um desafio: quem ler isto hoje, que se acuse.



Vá lá… Não custa nada!... Sim?

sexta-feira, 16 de março de 2012

Das repescagens... - I

Deu-me para andar a limpar os rascunhos e as mensagens não publicadas... Repesquei este texto, escrito há exactamente dois meses atrás. E é bom ver que o meu estado de espírito melhorou um bocadinho no tempo que passou entretanto... É só por isso que o repesquei. Para não me esquecer que depois da chuva, vem mesmo o Sol...

Ia escrever que, de repente, a névoa dissipou-se.
Antes sequer de começar a escrever, parei. Será que se dissipou mesmo? Não, não se dissipou.
Continuo neste nevoeiro, sem saber para que lado me virar. Estou, novamente, numa fase de ora faz chuva, ora faz Sol.
Continuo com o mesmo dilema de há meses atrás: aproveitar o que tenho, porque é o que tenho e até não é mau de todo, ou procurar algo melhor, correndo o risco de não encontrar?
Ser exigente? Contentar-me?
E, de repente, uma interrupção para atender um telefonema. Eu no limbo. Desligo a chamada. Vejo no telemóvel o mail de mais um comentário no blogue. Desato-me a rir. Um segundo depois, desato a chorar.
Gostava de saber o que quero. Ou de saber o que não quero. Que é o mesmo.
Gostava de não ter de ir trabalhar a esta hora. Gostava de não ter as lágrimas a correrem-me pelo rosto.
Gostava de ser menos melodramática. Gostava de não vir para aqui despejar estas coisas. Mas este é o meu blogue e se hoje choro, é isso que aqui digo.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Dos signos...

Há dias dei comigo com duas amigas também Peixes de signo. Comentei o facto, até. E saí-me mal, até.

Porque se uma delas é igual a mim, a outra não podia ser mais diferente.

Se uma delas é da mesma área que eu, e é a minha alma gémea em termos de dinâmica de estudo e de trabalho, a outra não podia ser mais o oposto.


E eu, que até sou pessoa de acreditar nestas coisas, e que associo certas características a certos signos, tive de me render e concluir que isto nem sempre bate certo. Mentes mais brilhantes dirão, talvez, que nunca bate certo. Eu fico-me pelo às vezes, que isto nunca se sabe.


Das minhas perdições...

Ontem, entre um trabalho e o outro (não vamos falar sobre isso), tinha qualquer coisa como duas horas e meia.

Foi ver-me a subir ao Chiado e entrar na H&M. Tinha uns sapatos que recebi nos meus anos para trocar (uma boa alma que achou que o 36 me serviria e me ofereceu umas sabrinas cor-de-rosa amorosas com as quais os meus pés não se compadeceram...). Dizia eu, H&M. Pois que estive lá uns bons dez minutos e não troquei coisa nenhuma. Não havia paciência. 

A seguir o que é que eu faço? Fnac. Saí de lá duas horas depois, feliz da vida e sem neura alguma. A Fnac tem este poder retemperador e eu não me lembro há quantos anos não me perdia assim na Fnac do Chiado. Trouxe um livro para oferecer, um CD para oferecer e um CD para mim. Tudo por menos de vinte euros. E vim de lá feliz da vida, confesso.

 Ah! E trouxe também o bilhetinho para o dia 15 no Optimus Alive. Tinha recebido o pacote fã qualquer coisa e tinha de trocar o voucher. Pois que já troquei. E que dia 15 de Julho vou estar no céu, a ouvir os meus meninos mais preferidos.



E hoje, mais duas horas e meia entre um trabalho e outro... Qual será o destino de hoje?...

quarta-feira, 14 de março de 2012

Das músicas que teimam em tocar no rádio... Ou não...

Confesso que, às vezes, e só às vezes, ouço David Fonseca. 

E confesso que, em todas essas vezes, é por tua causa. Apenas e só.

terça-feira, 13 de março de 2012

Destas coisas informáticas...

Sou só eu que deixei de conseguir subscrever os comentários de outros blogues?

Das coisas que ouvimos por aí...

Todos os dias tenho ouvido o invariável: Atenção ao intervalo entre o cais e o comboio.

Todos os dias me lembro que o: Mind the gap é tão mais tão...

Do Verão...

O primeiro sinal do Verão estar a chegar é...


... sairmos do banho e pormos o creme anti-celulite, pela primeira vez este ano...

segunda-feira, 12 de março de 2012

Das minhas habilidades...


Só eu é que compro umas meias novas, visto-as no provador da loja, sento-me numa qualquer esplanada a beber café e... Rompo de novo as meias!... Dez minutos foi o que elas duraram intactas. Dez minutos.

Só eu Senhores, só eu!

Do que é ser Mulher...

Ser mulher é, antes das nove da manhã, já ter um buraco enorme nas meias.

Ser mulher é, desde então, estar de perna ao léu e a morrer de frio à espera da hora de almoço para ir à Calzedonia mais próxima.

Se no dia da mulher tivessem distribuído meias de vidro era bem mais útil do que as flores. Digo eu...

Isso e que, a partir de hoje, hei-de ter sempre um par de meias extra aqui na empresa. Só porque sim... É que ainda me estou a habituar a esta coisa de andar pipoca todos os dias e há pequenos pormenores que me vão escapando, confesso...

Das idades...

Sentimos que já não caminhamos para novas quando... Numa discoteca, um rapazito dos seus 19/20 anos nos vem pedir um cigarro e nos trata por você. Só faltou chamar-me Senhora...

Por outro lado, também sentimos que ainda não caminhamos para velhas quando... Na mesma noite, chegamos a casa às sete da manhã e só adormecemos às nove... Melhor, dormimos quatro ou cinco horas e estamos impecáveis, como se nada fosse...



Isto deve ser o que dá ter 28 anos e só ter feito anos 7 vezes... 

sábado, 10 de março de 2012

Das notícias...

Aqui há coisa de uma semana ou duas ou três, tinha recebido a maravilhosa notícia de que o Jorge Palma ia tocar lá no sítio do costume.

Eu, que adoro Jorge Palma e que já andava a ressacar de um concerto dele há uns bons três anos, fiquei delirante.

Pois que há pouco soube a data certa. Pois que à hora que o senhor começa a tocar, eu vou estar a aterrar num qualquer aeroporto de uma qualquer cidade europeia.



É preciso pontaria, não?

sexta-feira, 9 de março de 2012

Das pérolas Senhores... Das pérolas!...

Eu confesso que já não me lembrava do interessante que era vir a ouvir as conversas alheias nos transportes públicos.



É bom que eu arranje um MP3 (ou um MP4 ou simplesmente uns phones) muito rapidamente...

Dos dias que começam...

Gosto de começar o dia com calma...

Gosto de acordar com o Sol a entrar na janela...

Gosto de estar abraçada a ti, a ver o jardim, os pássaros e as flores...

Gosto de atravessar o Tejo, ver Lisboa a acordar com o Sol que nasce...

Gosto de tomar o pequeno-almoço numa esplanada na Av. da Liberdade, ao Sol, às oito da manhã e com quinze graus...

Gosto de chegar à empresa e não estar cá ninguém, beber o meu café, passar os olhos pelo jornal e pelo mundo virtual...

Gosto de tudo isto. E gosto desta nova vida que tenho.

Gosto.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 59

Desafio art.soul - Day 28: Your City

A minha cidade é a mais bonita de todas. E tenho dito.
(e não é por ser minha mas gosto muito desta foto)


Das fotografias que dão alegria... - Day 58


Desafio art.soul - Day 27: Lunch

Rolinhos de salmão com mostarda.
Mousse de chocolate com frutos silvestres (receita daqui).

Estas foram algumas das coisas que fiz no meu jantar de aniversário.
Os rolinhos são a repetir (estupidamente bons, estupidamente fáceis).
A mousse tem de ser adaptada. Mas recomendo uma visita ao site que é de babar.



Das fotografias que dão alegria... - Day 57

Desafio art.soul - Day 26: Colour

Adoro flores... Cor-de-rosa então... 
(Estas foram dos anos... É batota, já sei...)

Das fotografias que dão alegria... - Day 56

Desafio art.soul - Day 25: Nature

Uma batota pequenina... Esta foto foi tirada o ano passado, em Maio, nas férias nas ilhas gregas. Não me perguntem ao certo onde isto fica mas sei que estávamos a caminho de Milos.

Esta foto é de uma praia (a foto foi tirada da areia), muito pequenina e que só tem acesso por mar, pelo buraco nas rochas que se vê ao fundo. Estamos a falar de uma coisa mesmo, mesmo pequena, e mesmo, mesmo de sonho... A areia era preta, a água transparente e no areal não deviam caber mais do que umas boas dez toalhas... 

A Natureza é fantástica, não é?








* Ainda não decidi se vou actualizar as fotos todas que faltam, mas quero, pelo menos, pôr as do desafio...

quarta-feira, 7 de março de 2012

Das actualizações muito rápidas...

Estou viva. Stop.

O emprego novo está a correr bem. Stop.

Ainda me estou a habituar a acordar às sete da manhã e chegar a casa às sete da noite. Stop.

Estou doente. Stop.

O cansaço faz-me fazer coisas fabulosas como andar a passear na linha azul do metro porque me esqueci de sair onde era suposto. Stop.

Tenho aprendido imensa coisa nova. Stop.

Ainda não me fartei. Stop.

Tenho 40 fotos em atraso para pôr aqui. Stop.

Se não adormecer na próxima meia hora, talvez agende uns quantos posts. Stop.

Não tenho comentado mas, sempre que posso, vou lendo o que se passa por aí. Stop.

Volto assim que possível. Stop.

terça-feira, 6 de março de 2012

The Things I Like... - XIII

Gosto de começar o dia a olhar para os painéis do Nadir Afonso 
na estação dos Restauradores...

sábado, 3 de março de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 63

Hoje foi o primeiro Sábado em muito tempo em que tive a manhã e a tarde livre. 
Assim, o destino foi a Ericeira:


O Sol não esteve muito presente mas os Mojitos não faltaram (esses nunca falham!).


Agora, descansar um bocadinho no sofá, ir trabalhar, e depois festa pela noite fora no sítio que se tornou, recentemente, o sítio do costume...

Have a great weekend!

quinta-feira, 1 de março de 2012

Das dúvidas dos outros...

Já que perguntaram aqui e aqui, a Agridoce responde...

Fazer anos de 4 em 4 anos é diferente, vá...

Estou aqui a tentar escrever sobre isto e nem eu sei bem o que dizer. Daí que compreenda a curiosidade dos outros...

Não me lembro bem de como era quando era mais pequena mas acredito que tenha havido alguma fase da minha vida em que eu tivesse dificuldade em perceber porque é que todos os meus amigos e colegas tinham dia de anos, menos eu. Não é fácil. É só mais uma coisinha a juntar à lista de razões para nos sentirmos injustiçados pelo Mundo e pela vida cruel.

Hoje em dia, não ligo exactamente à coisa. Bom, se me pedirem para escrever sobre isto em 2013, talvez o meu discurso seja diferente. É giro falar disto em anos bissextos. Nos anos bissextos é uma festa e toda a gente fala nisso, e reportagens, e notícias, e tudo e tudo e tudo. Mas só porque é um ano bissexto. Porque nos outros anos todos ninguém se lembra de nós nem do facto de que... Não fazemos anos! E se não fazemos anos, a sensação é um bocadinho de que não existimos, sabem? Assim do género: devia haver ali mais qualquer coisa no calendário... Mas... Não há!... E onde é que nós ficamos no meio disto? Não ficamos. Não temos dia para ficar.

Em anos bissextos toda a gente diz: Ai que deve ser tão giro! Ai que máximo! Ai que nunca conheci ninguém assim!

Em anos que não são bissextos toda a gente diz: ..........

A verdade é que ninguém diz nada porque ninguém se lembra do facto. Para toda a gente, é perfeitamente natural que o 1 de Março venha a seguir ao 28 de Fevereiro. Uns ficam felizes porque trabalham menos uns dias e recebem o mesmo. Outros rogam pragas porque não dá jeito à contabilidade e ao sistema informático e ao raio que os parta.

Mas se há coisa que nascer a 29 de Fevereiro permite é o desenvolvimento de uma capacidade surpreendente de falar sobre isto sem querer espancar pessoas. Depois de respondermos 2456273 vezes à pergunta E como é que fazes quando não tens dia para fazer anos?, já se torna mais fácil. Ou não. Aí varia. Há quem se irrite cada vez mais e há quem faça um sorriso amarelo e responda o mesmo de sempre.

A essa pergunta, eu já me cansei de responder. Nos últimos dias tive que lhe responder várias vezes. A resposta é sempre a mesma: Comemoro dia 1 porque não faz sentido comemorar antes do (suposto) dia. Mas, durante algum tempo, a resposta era: Comemoro quando calha, conforme dá mais jeito. Quer-me parecer que muito em breve vai ser: Só comemoro de quatro em quatro anos e vou ser eternamente jovem.

Outra coisa muito interessante é que nos anos que não são bissextos há muita gente muito simpática que diz coisas como: Ai eu não te dei os parabéns porque não sabia quando dar. Sim, é real. É verídico. E não me aconteceu nem uma nem duas vezes. E obviamente que, perante isto, e porque somos Peixes de signo, só podemos ser pessoas muito criativas e que vivem no Mundo da Lua. Só pode. São mecanismos de auto-defesa que vamos apurando com a idade. Nascer a 29 de Fevereiro é assim como receber um super poder logo à nascença.


Para além disto... Pois que não sei. Sinceramente, não sei. Ao fim destes anos todos (sete!), já não penso muito nisso. É assim. Ponto. Sempre foi. Ponto. Sempre será. Ponto.




(Respondo a mais questões sobre este assunto se me enviarem ovos moles. Ou gomas. Que tanto se me dá e que ninguém o vai fazer.)