segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Do meu estado actual...

Live from my kitchen...


Cheguei a casa com uma neura tremenda. Juntem um dia idiota de trabalho, a sentir-me injustiçada, com sair mais tarde, com frio e chuva e eu de sabrinas e saia, com vinte e cinco minutos à espera do autocarro. Juntem a tudo isto a TPM no seu auge. Misturem bem. E têm uma Agridoce com vontade de matar pessoas e chorar baba e ranho.

Mas não há como a minha casa e as minhas pessoas. Enquanto espero pela lasanha de frutos do mar, bebo o meu vinho, e oiço a galhofa lá dentro, sinto-me, finalmente, preparada para dizer adeus a 2012.


Tenham um excelente 2013!

domingo, 30 de dezembro de 2012

Dos vestidos perdidos...


Um dos presentinhos deste Natal foi este vestido da Mango.
Sadly, veio no tamanho acima e está-me gigante.
Hoje, já fiz a primeira tentativa (falhada) de tentar trocá-lo.
Se alguém o vir por aí em S, avise por favor!

Das fotografias que dão alegria... - Day 365


E na sexta-feira o meu postalinho do PPC chegou!
Obrigada Berta!



sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Do bom que é ter uma família feliz...




Anda uma filha a criar um pai para isto...

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Do espírito de Natal...

Qual é o cúmulo do espírito natalício?

Eu, a andar pela rua, pelo metro e pelo autocarro, a cantarolar o Amazing Grace...

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Do Natal... - II

Eu sou uma pessoa do Natal.

Gosto do Natal. Vibro com o Natal.

Adoro o espírito, as luzes nas ruas, os presentes, as comidas e os doces que só como nesta altura, a família toda reunida.

Adoro. Semanas antes, já eu ando a pensar neste dia, já eu ando à procura do presente certo para cada pessoa, já eu estou preocupada com a logística, e a ementa, e o que fazer de doces.

Este Natal, o meu Natal foi diferente. Foi numa família que não a minha, mas que me recebeu como se fosse parte dela. Foi rodeada de cinco crianças, que cantaram e chamaram pelo Pai Natal à meia-noite. Incluiu andarmos às onze da noite na rua à procura de um sítio que servisse café - acabámos numa bomba da Galp. Incluiu Trivial. Muita comida, muitos doces, algum vinho à mistura. Foi um Natal feliz, em que me senti em casa. 

E estou grata por isso. Porque eu levo mesmo muito a sério esta coisa do Natal.

Infelizmente, como dizia o outro, "quando todos vão dormir, é mais fácil desistir, quando a noite está a chegar, é difícil não chorar". Adormeci a chorar, passei a noite com pesadelos, acordei a chorar. Numa altura tão feliz e tão importante para mim, estou triste, magoada, revoltada. Profundamente triste. O pior, é que é com quem não era suposto. As nossas pessoas não nos deviam deixar assim. Não deviam. As nossas pessoas deviam fazer-nos felizes. Com percalços pelo caminho mas, em última análise, deviam ajudar ao nosso bem estar, à nossa alegria. As nossas pessoas deviam acrescentar coisas boas à nossa vida. Apenas e só.

E é isto.

Agora, sorriso 37 na cara, pegar no saco dos presentes, e directos a casa dos meus pais, para o Natal - Parte II. Amanhã, tudo isto parecerá menos importante. Um dia, talvez já nem me lembre de nada disto.


segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Do Natal...

Que o vosso Natal seja muito feliz, junto de quem mais gostam, com muita comidinha e muitas coisas boas. Este ano, talvez haja menos prendas, mas acredito, cada vez mais, que o que importa mesmo é estarmos com os nossos e com quem nos quer bem. Sejam felizes!


domingo, 23 de dezembro de 2012

Do meu estado actual...

No cabeleireiro, para cortar uns bons quinze centímetros de cabelo.

É a minha prenda de natal de mim para mim.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Do meu estado actual...

Estou em modo semi-férias.

Agora, só volto a trabalhar dia 26. Yay!

Fabuloso, maravilhoso, mesmo o que eu precisava.

Agenda para amanhã?

- exame chato (o mais cedo que me consiga levantar da cama)
- Dolce Vitta (últimos presentes)
- Campus de Justiça (tratar de coisas)
- Supermercado (compras de última hora)
- CTT (levantar um presentinho)
- Loja de fotografias (encomendar fotos para outros presentes)
- Casa (embrulhar presentes, cozinhar, cozinhar, cozinhar)
- Médico (hora prevista da consulta: 21h... hora real: ninguém sabe)




Algo me diz que um dia mau no trabalho era mais fácil do que isto...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 354

Os preparativos para o Natal já começaram há duas semanas.
Já houve licor de canela, doce de abóbora e noz, 
uma tentativa (provavelmente falhada) de fudge, e, agora, chegou a vez dos bombons. 
Este ano, com novidades...


A primeira caixa está pronta a ser entregue amanhã...


Com o alto patrocínio dos Senhores IKEA, que criaram AS caixas
Super fáceis de fazer, super práticas, giras e baratas como se quer.
Altamente recomendadas por quem já se deu ao trabalho de fazer 
caixas manualmente no passado e agora está rendida.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Do estado deste blogue...

Este blogue sucumbiu ao abandono.

Meti-me no desafio fotográfico e aguentei meia dúzia de dias. Já sabia que não era boa ideia. A psicologia tem uma definição para isto, para as pessoas que se metem nas coisas só para poderem dizer que falharam. Eu sou assim.

Mas a verdade é que deixei de ter vontade de aqui vir. Deixei de me sentir à vontade para aqui escrever.

O que é mau. Muito mau. Qualquer pessoa que me conheça minimamente, sabe a importância que tem para mim, para a minha estabilidade, para o meu, poder escrever. Se não o posso fazer, falta-me uma parte de mim...

Mas é assim que estamos. 

Isso e o trabalho e o Natal e os presentes e os preparativos.

E a falta de vontade.

E a falta de vontade.

E a falta de vontade.

E o andar há demasiado tempo a conter-me. A acumular. A engolir. A respirar fundo. Já sei como sou. Já sei que um dia destes expludo e não vai correr bem.

(Eu avisei!)

Da minha assistente...


Cookinha: a certificar o envio de postais desde 2012.

(se aparecerem postais roídos, estão desde já justificados)

Das fotografias que dão alegria... - Day 353


Em modo Postais de Natal.
Se mais alguém quiser, tem exactamente trinta e sete segundos para se acusar.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 345

not so fast december pic - day 10_power


The power of nature.
Algures na Ericeira.

sábado, 8 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 343

not so fast december pic - day 8_craving


Ovos moles. Sempre. Não me canso de os comer.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 342

not so fast december pic - day 7_hope


Esperança.

Esperança de voltar a trabalhar com arte e antiguidades. Em breve. Tão em breve quanto possível. No meu espaço, de preferência. Ou noutro qualquer. Só quero voltar a estar rodeada de arte e antiguidades.

Nesta foto, uma chávena da Vista Alegre (1924-1947), que era da minha avó e da qual nunca me hei-de desfazer. Mais do que isso, se algum dia encontrar o resto do serviço à venda, trago-o para casa comigo. Pior do que isso, no antiquário onde estagiei e trabalhei, tivemos em determinada altura o serviço de café com esta decoração à venda. E eu deixei-o fugir... Se o virem por aí, avisem. Sou apaixonada por esta decoração. E sim, esperança também se aplica ao facto de eu achar que me hei-de voltar a cruzar com um serviço desta decoração.

Das fotografias que dão alegria... - Day 341

not so fast december pic - day 6_sadness (com um dia de atraso)


Sadness.

Tema difícil este. Muito difícil.

Por muito que me queixe, a verdade é que demorei muito tempo a encontrar algo para este tema. Há pouca (ou nenhuma) coisa verdadeiramente triste na minha vida.

Optei por esta foto da Lady. Porque sim. Porque tenho saudades, porque me custa, porque choro muitas vezes a pensar nelas. Porque me sinto verdadeiramente triste por pensar que não as voltarei a ver.

E é isto.





(Que raio de temas Marianne! Só para nos complicar a vida!... Ou será para nos acordar para a vida?)

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 340


not so fast december pic - day 5_routine

Dos abraços que se oferecem...

Na estação do Rossio a AMI está a distribuir abraços. Eu fugi, confesso.

Não que não aprecie estas iniciativas. Que aprecio. Acho de louvar. E acho que se deviam dar mais abraços entre as pessoas. Acredito mesmo nisto.



Simplesmente, se alguém me abraçasse ali, naquele momento, eu ia desatar a chorar baba e ranho. E nem eu nem as meninas da AMI precisávamos de um espectáculo desses, convenhamos.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 339

not so fast december pic - day 4_glutony


Estava eu preocupada com o que poria aqui no dia de hoje, quando recebo este presente... Melhor é impossível!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 338

not so fast december pic - day 3_anxiety


Ansiedade. 

Ansiedade é uma palavra que condiz comigo. Em muitos aspectos. Sou uma pessoa ansiosa.  Que sou. Mas, perante a necessidade de escolher uma fotografia que represente a ansiedade, hesitei. Não sabia o que escolher. Eu própria fiquei ansiosa com a escolha de uma fotografia para representar a ansiedade.

Não querendo entrar por caminhos obscuros, optei por esta fotografia, tirada nos primeiros de vida da Cookie cá em casa.

E em que é que isso se relaciona com ansiedade? Em tudo. Eu não queria a Cookie. Não queria. Ponto. Mas cheguei a casa e ela estava encolhida num canto da cozinha. 700 gramas de gata com o ar mais assustado do mundo. 

E eu, combatendo a minha vontade, combatendo a minha ansiedade perante um destino que não era o que eu queria, deixei-a entrar. Sentei-me no chão com ela. Peguei-lhe ao colo. Dei-lhe as primeiras festas. E a ansiedade perante aquele ser indefeso que, desde então e até sempre, depende de mim, foi-se dissipando. Ficou apenas a Cookie.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 337

not so fast december pic - day 2_nostalgia


Nostalgia foi o que senti hoje ao (re)ver o Anjos e Demónios, e ao (re)ver Roma, e as ruas de Roma, e as igrejas de Roma... Roma é uma cidade a que, sem dúvida, gostaria de voltar.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 336

not so fast december pic - day 1_happiness

Me @ Tate Modern

Há exactamente um ano atrás estava em Londres, a viver aquela que foi uma das semanas mais cheias da minha vida. Em muitos e diversos níveis.

Estive em Londres oito dias para participar num programa intensivo de Art Business no Sotheby's Institute of Art.

Foi uma semana de loucos, sempre a mil à hora, e comigo coxa a partir do segundo dia.

Mas foi em semana em que mais arte vi, em que mais aprendi, em que mais falei e pensei em arte. Foi mesmo uma semana de arte, arte, arte.

E há lá coisa que me faça mais feliz do que uma semana inundada de arte?...

Foi nesta semana que eu tive o privilégio de visitar as reservas da Tate, uma das experiências mais indescritíveis que já vivi. Não há palavras para descrever a sensação de estar ali no meio de milhares e milhares de obras dos maiores artistas de todos os tempos, ali ao alcance da nossa mão, abre porta, fecha gaveta, puxa estante, empurra estante, olháqui um Picasso, olháli um Monet, deixa cá encostar o nariz neste Seurat só para ver o detalhe do ponto... Sala após sala, porta após porta, sempre a deixar-me sem chão, quando eu achava que já não tinha mais chão para perder...

Sim, por muitos e variados motivos, esta semana em Londres foi uma das semanas mais happy da minha vida.


sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Da utilidade dos leitores deste blogue...

Eu escrevo frases sem sentido e com erros e vocês não dizem nada? Seriously?!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Das coisas em que eu me meto...

Resolvi, once again, aderir a um desafio fotográfico. Não sei se vou conseguir mas vou, certamente, tentar. 

Foi lançado pela Marianne e para cada dia de Dezembro há um tema a dar o mote à foto diária.

Vamos ver se me aguento...

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Dos sapatos...

Reza a lenda que Dalí costumava comprar sapatos um número abaixo por acreditar que sapatos apertados mantinham a mente aberta.

Eu, que calço entre o 34 e o 35, a única coisa que consigo comprar são sapatos que me ficam largos.


Creio que isto também explica muita coisa.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Dos periquitos...

Depois das análises, a consulta médica no trabalho.

Tudo normal qb. Colesterol elevado, nada de novo. Electrocardiograma com uma coisa qualquer sem importância. A tensão, essa, de periquito. Máxima de oito, mínima de cinco. Isto depois de um pequeno-almoço de leite com chocolate e pão com queijo e ainda um café.



Creio que isto explica muita coisa.

domingo, 25 de novembro de 2012

Das viagens que eu faço em sonhos...

Uma grande amiga acabou de me dizer que vai a Paris daqui a quinze dias.

E eu vibro com ela, como se fosse eu a viajar...

Não gosto de Paris. Que não gosto. 

Mas, mas, mas... Paris é Rodin, é Museu D'Orsay, é arte em todo o lado...



Só por isso, não me importava de lá voltar, não...

sábado, 24 de novembro de 2012

Dos Sábados de chuva... (não era de Sol?)

Em modo apple crumble a escaldar, acabado de sair do forno, para me consolar o estômago e a alma, antes de sair para o frio e para a chuva para ir trabalhar...



Enjoy your weekend!

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Do café...

Um dia entorno um dos quinhentos frascos de verniz com que ando sempre na mala...








Ontem foi o dia!

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Do "cá se fazem, cá se pagam"...

A noite passada, a bem da minha sanidade física e mental, não deixei a Cookie dormir no nosso quarto...

A paga? Pela primeira vez, entre os dois colos disponíveis no sofá, não optou pelo meu...



Afinal, não é assim tão tola, não...

Do meu karma...

Eu devo ter feito alguma coisa de muito errado e não me lembro. Só pode.

Só isso explica que depois de uma noite demasiado curta e um dia demasiado longo, cheguem as cinco da tarde (quase a minha hora de saída) e eu dê um tombo gigante e fique estatelada no meio do chão, aflita do pulso e do cotovelo.

Juntem a isto perder o autocarro por dez segundos. E Juntem ainda saber que quando chegar a casa vou para a sala do condomínio fazer contas e tratar de papelada. Para completar, resta dizer que esta é a minha única noite livre de toda a semana.

Eu mereço. Mereço pois.*







(*quanto mais não seja, mereço por ser tão queixinhas! Bem feita!)

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Do maravilhoso mundo das Segundas-Feiras...

Depois de um fim-de-semana com muito trabalho à mistura e nenhuma folga, nada como um dia caótico no emprego número um, sair atrasada, e ir a correr para casa para apanhar o carro e ir para o emprego número dois, na outra ponta do Mundo.

You gotta love mondays...

Das fotografias que dão alegria... - Day 324


Juro que não fui que a pus de castigo a olhar para o canto.

domingo, 18 de novembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 323


Eu não estou a ficar uma pequena lontra. Eu só pus botox nas bochechas... - Dona Cookie

sábado, 17 de novembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 322


Do inspirada que eu ando... *











(* ou pindérica, que é quase o mesmo...)

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 321


Sim, eu gosto de estar de cabeça para baixo. - Cookie

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 320

Hoje, o tempo de espera pelo autocarro deu-me para isto...



Sempre gostei de fotografias com carros e luzes "arrastadas". 
Nunca tive uma máquina que me permitisse brincar muito com o tempo de exposição. 
Hoje, tive a minha primeira experiência nessa área... 



Divirto-me assim...

Da manifestação de ontem...

É desta que alguém se lembra de pôr fim à calçada portuguesa...


Os meus saltos agradecem.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 319


A Cookie, o Hipopótamo e o Balão.

Podem imaginar o fim disto...

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Da greve de amanhã...

Eu não vou fazer greve, naturalmente.

A questão que se me coloca é eu querer ir trabalhar e não saber bem como. Aceitam-se apostas:

- Opção A - vai estar muito mais trânsito porque toda a gente vai levar carro?

- Opção B - não vai estar trânsito nenhum porque metade desta cidade não vai trabalhar?

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Da Troika...

Em tempos de crise, o cheiro a pipocas na estação do Marquês devia ser considerado marketing agressivo.

Não é justo deixarem uma pessoa a babar assim...

Do que me apetecia mesmo agora...

Ir enfiar-me no ISCTE. De transportes. Com este frio.

domingo, 11 de novembro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 316


O sabor estava melhor que o aspecto. Juro.
Mas até não correu mal, para primeiro bolo de aniversário feito em casa...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Das dúvidas que me assistem...

Digam-me lá... Desde quando ficamos ofendidos por nos dizerem que vivemos acima das nossas possibilidades?

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Das nossas diferentes facetas...

Todos nós temos diversas facetas. Não deixamos de ser quem somos. Não somos mais, nem somos menos. Simplesmente, somos muitas e variadas coisas ao mesmo tempo. E é essa soma de facetas que faz de nós quem somos. O que somos.

Eu não sou excepção.

E uma das minhas mais recentes facetas é a de madrasta. Ou boadrasta, para usar um conceito da Sónia Morais Santos.

É estranho para mim ser madrasta. Felizmente, o facto de ter sido, e ser ainda, enteada, ajuda muito. Mas não deixa de ser estranho.

Não quero desenvolver muito isto hoje. É demasiado complicado e confuso. Até para mim.

Quero apenas pedir, encarecidamente, que me digam receitas de coberturas de chocolate para um bolo. Simples, rápidas e boas.

Esta é a parte em que mandam internar de vez... Right?

Wrong. Há uma lógica. Claramente, há uma lógica.

Neste meu novo papel de madrasta, terei que preparar o bolo de aniversário da minha enteada (?). E ela quer um bolo coberto com chocolate. E smarties. Não me posso esquecer dos smarties!

Assim sendo, e porque desse lado há gente muito prendada, sugestões e inspirações aceitam-se.

Merci.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Do post sem título...

Acabei de ver a reportagem fotográfica de um casamento surpresa... E é isso.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Do fim-de-semana que passou...

No fim-de-semana que passou, em jeito de comemoração pós-tese (sem a comemoração), demos um salto a Madrid. Em tempos de crise, é sempre bom aproveitar para conhecer um sítio novo, ficando em casa de familiares, amigos e afins... Foi um passeio curto, rápido, com algumas limitações por estarmos rodeados de crianças, mas que me permitiu ficar com uma ideia do que é Madrid, e definir o que não quero mesmo perder quando lá voltar.


Não podia faltar a ida à Plaza Mayor... 




A passagem no mercado de San Miguel, onde comemos gomas e churros. 
E onde quero mesmo voltar, a dois, para me agarrar ao vinho e às tapas.


Não faço a mais pequena ideia de que prédio é este mas adorei esta fachada. 
Não sei se é muito visível (basta clicar para aumentar a imagem), 
mas atentem na evolução do desenho, 
que começa por quadrados em baixo, e que se vai desconstruindo, fachada acima...

E foi isto. Ando poupada nas fotografias. Ou isso ou preciso de tempo para fotografar, 
coisa que não tive em Madrid. Mas hei-de lá voltar. E hei-de ter tempo.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Da tese...

A tese a esta hora deve estar impressa (espero eu), a dormir, só e fria e abandonada, algures na reprografia do ISCTE.

Eu já imprimi a restante documentação que tenho de entregar e já gravei os CDs que era suposto gravar.

Estou num estado de limbo. Quero respirar, mas ainda não consigo. Só vou acreditar quando a deixar, amanhã, entregue a quem de direito.

Nos entretantos, já detectei um erro. Foi o primeiro e último. Proíbo-me de ler o que quer que seja novamente, já que não vou alterar mais nada.




E é isto.

domingo, 28 de outubro de 2012

Do lenta que eu sou...

Estou a apaixonar-me pela minha tese. A três dias de a entregar.




Há coisas fantásticas, não há?

sábado, 27 de outubro de 2012

Do post que faltava...

Já tinha pensado escrever sobre isto muitas vezes. Já tinha adiado, repensado, adiado novamente. Mas hoje é o dia.

Fez ontem precisamente um ano que assinei os papéis do divórcio. Não que me lembrasse da data, que o tivesse anotado, ou gravado na memória. Houve algo que fez com que fosse procurar essa data e, realmente, este blogue é o melhor registo da minha vida que pode haver e lá fui eu verificar. Foi mesmo há um ano e um dia.

E agora que um ano passou, posso dizer, com muitas certezas, que tomei a decisão certa. Que não me arrependi, em momento algum. Não hesitei, não duvidei. Hoje, como naquele dia, tenho a certeza que fiz o melhor.

Acredito muito que devemos fazer o que tivermos de fazer para sermos felizes. Acredito que se não estamos felizes, devemos fazer por isso. Acredito que não devemos contar com os outros para sermos felizes. Por muito que tenhamos a sorte de nos rodear de pessoas que nos ajudem, em última análise, a responsabilidade de sermos felizes, é nossa. É apenas nossa.

E eu tento ser feliz. Talvez não tanto quanto devia. Mas tento.

E talvez a nossa sociedade esteja a entrar numa onda de casamentos relâmpago. Sim, podem dizer que não lutamos pelas coisas como os nossos pais, os nossos avós. Que é casar e descasar. Eu acho, simplesmente, que hoje em dia a vida nos torna mais ambiciosos. A vida ensina-nos que não nos devemos contentar com qualquer coisa. A vida ensina-nos que devemos lutar por aquilo em que acreditamos. E eu acredito em ser feliz.


Como diria alguém tão sábio... Façam o favor de serem felizes!



sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Das considerações matinais...

Fica sempre bem mandar mails a um professor meu a esta hora.

Dá um ar grave e sério.*




*- três pontos para quem identificar.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Da minha vida em cinquenta palavras...

Pedem-me para escrever a minha biografia em cinquenta a sessenta palavras para um livro onde consta um artigo meu.




Parece mais simples do que na verdade é. Experimentem e contem-me.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Dos timings dos gatos...

Estou há quase duas horas esticada no sofá, agarrada ao computador. Dona Cookie não quis saber de mim. Agora que me quero levantar, veio deitar-se em cima dos meus pés. Tão esperta!...




(isto depois de hoje no veterinário me ter deixado com as mãos e os pulsos esburacados com os seus lindos dentes... Se isto infecta, não sei o que lhe faço... Ouviste???)

Dos termómetros...

Tenho frio. Desde manhã que tenho frio.



Não sei se tenho frio por estar mesmo frio. Ou se o frio que tenho é um estado de espírito.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Da crise...

As últimas estatísticas indicam que os portugueses procuram afogar as mágoas da crise no álcool: o número de pessoas que vêm aqui parar à procura de receitas de licor é significativamente crescente...



Oportunidade de negócio?

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Das últimas alterações de estado...

Cookinha está em recuperação. Ainda é cedo para dizer mais do que isto. Prefiro esperar para ver. Mas já faz os disparates do costume, o que é sempre bom sinal. Falta ver o estado dos pontos e da cicatrização. Até lá, espero para ver.

De resto, tese, tese, tese. Ler, reler. Melgar pessoas à minha volta para a ler e reler. E ler e reler. E corrigir. E voltar a ler e reler.

A minha principal motivação neste momento é estar tão farta da tese, que quero é vê-la entregue e longe de mim.



E é isto.

Das fotografias que dão alegria... - Day qualquer coisa

Quando penso em comfort food penso sempre em puré. É uma coisa tão simples, tão básica, mas que me consola tanto... Hoje estamos em modo puré com lombos de pescada em molho de tomate.


domingo, 21 de outubro de 2012

Do meu modo queixinhas muito ON...

Sinto-me exausta. Completamente exausta.

E ainda amanhã é Segunda!...*







*(ou de como eu me devia ter mantido em Letras e nunca me devia ter passado pela cabeça fazer um mestrado na área da Gestão...)

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 293


Não estou a pensar transformar isto num blogue de animais. Juro.

Dos apertos no peito...

O meu dia hoje começou em Monsanto. No canil/gatil de Monsanto, mais especificamente.

Não é fácil. Por muitos e variados motivos, não é fácil.

Para mim, não foi fácil por motivos pessoais, por levar a minha Cookie e por deixá-la lá.

Mas, com Cookie ou sem Cookie, não é fácil. Não é um espaço fácil. É um espaço angustiante, frio, assustador, claustrofóbico e opressor.

Já tinha uma vaga ideia do que me esperava. Mas nunca é o mesmo que lá ir. Estar lá, é muito diferente de imaginar o que será lá estar.

Entrei angustiada, mantive-me angustiada, e saí de lá angustiada. 

Sempre levei as minhas pulguentas a clínicas privadas de veterinária. A Lady, a Amora e a Amy, foram todas esterilizadas na mesma clínica, com a mesma veterinária, de quem eu gostava muito. Além da evidente diferença nas condições físicas, há uma evidente diferença nas condições humanas.

Eu sei que não deve ser fácil. Quero dizer, não sei. Só imagino. Eu era incapaz de trabalhar ali. Com aquele ladrar constante, com os uivos de dor, com os miados de aflição. Não era capaz. Estive lá uma hora e saí de lá com um nó na garganta e as lágrimas nos olhos.

Bolas, deve ser difícil. Muito difícil. E deve obrigar a criar muitas defesas. Deve obrigar a que se criem mecanismos para que se encare aquilo com o racionalismo a que obriga. Mas custou-me. Custou-me o distanciamento, custou-me o espírito de "vamos lá despachar mais um". Eu sei que eles têm dezenas de animais, que vêem os maiores horrores, que fazem dezenas de operações destas. Eu sei. 

Mas custa-me, pronto. É a minha Cookie. E custa-me.

Fui eu que optei por a levar lá. Foi uma decisão minha. Uma vez que ela foi adoptada lá, tinha direito a ser esterilizada lá. E a verdade é que os 150€ que eu pagaria na clínica do costume, fazem diferença nesta altura. E eu optei por aproveitar a oportunidade de fazer a esterilização lá.

Mas tenho um aperto no peito, uma sombra no meu estado de espírito, um nó na garganta, que dinheiro nenhum compensa...


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Das coisas que não mudam...

Cookinha vai ser esterilizada amanhã.

O coração da dona da Cookinha está tão apertado como da primeira, da segunda, da terceira e da quarta vez que levei uma gata a um veterinário para ser esterilizada.

Há coisas que não mudam. Mesmo.

Das fotografias que dão alegria... - Day 292


A Sati já apareceu por aqui... Dispensa apresentações.
Eu sei que esta foto não tem muita leitura mas gosto muito dela... No idea why.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Das tiny little notes...

Falta de ar. É isso. Demorei algum tempo a perceber mas é isso que sinto. Uma imensa e infinita falta de ar.

Do OE...

Se eu podia dizer o que penso sobre o OE para 2013? Podia.

Mas dado que nem do meu plano financeiro eu entendo verdadeiramente, quanto mais do OE! Assim sendo, mais vale estar calada.

Porque falar é fácil. Porque todos faríamos melhor se lá estivéssemos. Porque estes deviam sair e deviam entrar outros. Mas depois os outros iam ser iguais. Porque eles não percebem nada daquilo e nós é que percebemos.

É como vos digo: eu nem com o meu plano financeiro, que se limita a 18 sheets no Excel, me entendo. É um caos. É tira daqui e põe ali. É um erro numa fórmula e mãos à cabeça e o-que-raio-fui-eu-fazer. É um projecto de treta, de meia dúzia de tostões. E, ainda assim, dá-me dores de cabeça e sinto-me incapaz de o passar para a realidade.

Quanto mais o OE. Eu, se lá estivesse, não faria a mais pequena ideia do que fazer.

Por isso, fico calada. Fico calada e acredito (porque não sei viver de outra forma) que eles estão a fazer o melhor que podem e sabem. 

Das fotografias que dão alegria... - Day 290


Dom Oskar. 
Um pequeno monstro de meia dúzia de quilos que habita em casa dos meus pais.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Das fotografias que dão alegria... - Day 289


Esta é a Kali. O mais recente membro do agregado familiar dos meus pais. 

Não acho piada à raça dela. Nenhuma. Mas qualquer cão bebé proporciona umas fotos engraçadas pelo que hão-de vê-la mais por aqui.



domingo, 14 de outubro de 2012

sábado, 13 de outubro de 2012

Das pessoas no teatro...

Perante uma peça sarcástica sobre traições e casamentos desfeitos há dois tipos de pessoas:

- as que acham piada e se riem

- as que se encolhem na cadeira e sentem cada palavra como uma facada no peito

Das fotografias que dão alegria... - Day 287


E é isto a Cookie. Atacar coisas invisíveis na parede. Compulsivamente.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Do meu mantra... - Parte II

Eu também mereço estar a esta hora a caminho do emprego número dois e estar completamente parada na segunda circular.

Mereço, pois.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Das memórias...

Há, talvez, uns bons quinze anos atrás, o meu pai teimou em ensinar-me o que eram quebras de linha e a sua utilidade. Eu, no auge da parvoíce, teimei em não aprender.


Hoje, em cada uma que introduzia, não podia deixar de me lembrar disso.

The Things I Like.. - XV


Da nova campanha do Custo Justo. Quando vi a primeira vez não me fez um click imediato mas agora divirto-me com a descoberta de novas estações...

Do meu mantra...

Eu mereço. Mereço o dia que tive ontem. Mereço a semana que estou a ter. Mereço o dia que vou ter hoje. E mereço ter apanhado uma molha tremenda e estar aqui ensopada. E amanhã vou merecer estar constipada.

domingo, 7 de outubro de 2012

Das conclusões de Domingo...

Deixei de ter paciência para blogues de publicidade. Blogues que podiam ser interessantes. Que, até, já o foram. E que agora se limitam a conteúdo publicitário, mais ou menos explícito.


Não há paciência.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Do fria que eu sou...

Há uma explicação lógica, racional e científica para eu ser como sou...

Acabei de medir a temperatura por estar constipada e sentir-me a ferver.

Primeira tentativa: 34.9º
Segunda tentativa: 35.2º



Não podem esperar que eu seja a pessoa mais calorosa e amorosa e fofinha e tudo e tudo do Mundo. Não dá. É fisiologicamente impossível.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Do que realmente anima a malta...

... Descobrir que caibo num 36 da Mango. Num 36, da Mango, de um modelo justo.




Há coisas fantásticas, não há?

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Do cenário actual...

Eu. Em casa. Sozinha. Agarrada à tese. A cantar a Someone Like You a modos que mais ou menos aos berros.



Dona Cookie desapareceu. I wonder why...

Do jantar que passou...

Sobrevivi ao jantar de Sexta-feira. (jura?)

Não foi tão mau quanto eu temia, mas também não foi fabuloso.

Não nasci num mundo de Tios e Tias, e de só dar um beijinho e de "Como está? 'Tá boa?". Não é a minha praia.

Desde logo, a questão de se cumprimentar as pessoas com apenas um beijinho, perturba-me. É prático, que é. Sobretudo na hora de chegar e vir embora. Poupam-se dezenas de beijinhos e é muito mais rápido. E higiénico, talvez. Mas perturba-me. É uma confusão. Depois não é uniforme. Em setenta ou oitenta pessoas, havia 2 ou 3 que davam dois beijinhos. E fica ali uma pessoa meio suspensa, de cara espetada, e eu a sentir-me mal por deixar alguém pendurado. Não se aguenta. Eu sou demasiado limitada para estas coisas. Se em Portugal o costume são os dois beijinhos, simplifiquemos. Digo eu.

Depois, a casa em que eu estive (casa/quinta/palácio) tem por divisão mais peças antigas do que eu algum dia terei no meu antiquário inteiro. Estão a imaginar um jantar super chique e a boa da Agridoce a tentar disfarçar a baba e a olhar discretamente para tudo à volta, tentando não parecer demasiado parola, não estão? A casa é de sonho. De sonho. O espaço em si, a arquitectura (estão a imaginar um arco assente em duas colunas em pedra, com dois querubins no topo, assim no meio da sala?), o espaço exterior, os azulejos (os azulejos, Senhores!), tudo... Claro que é uma casa super pesada, super carregada, assim ao melhor estilo museu. Mas eu pus-me logo a imaginar mil cenários, com aquele exemplar de arquitectura fabulosa em mãos, e uma decoração que deixasse brilhar todo o valor da arquitectura em si. Deixai-me sonhar!...

Enfim. Passou-se. Mesmo com muito formalismo e roupa chique, ainda deu para muita conversa e umas quantas gargalhadas. Não é a minha praia. Mas sobrevivi.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Das minhas vontades...

Daqui a duas horas e qualquer coisa tenho um jantar. Um jantar a que não me apetece ir. Não me apetece nem um bocadinho.
Pior, não sei o que vestir. Pior, o jantar vai ser na rua. Não sei bem como, com este tempo, mas suponho que haja alguma espécie de cobertura. Sei que vou ter frio.
E sei que o que me apetecia era ficar no meu sofá.
Mas não. Tem de ser. Diz que vão pessoas a este jantar que podem vir a ser importantes no meu futuro. E lá vou eu, roupa pipoca, sorriso na cara, pôr em prática o que aprendi de networking.
Ou corre lindamente, ou vou rogar muitas pragas.

Do crescimento... - II

Eu a dar indicações à minha irmã sobre a noite de hoje é qualquer coisa de fabuloso.

Qual ditadura, qual quê!

Ela preocupada a dizer-me que a vá buscar o mais tarde possível. Eu a dizer-lhe que tem de estar sempre contactável e que se não se porta bem hoje, nunca mais vou buscá-la a sítio algum.




Nota: é um bocadinho too much eu dizer-lhe para ir agasalhada, certo?...

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Do crescimento...

Já passei por uma irmã mais nova a querer sair à noite e eu a ter que ir buscá-la à esquadra mais próxima (não teve culpa, coitada, mas imaginem-me a entrar e sair às escondidas de casa dos meus pais, a meio da noite, para ir buscar o BI dela...).

E agora é a outra a mandar-me mensagens a perguntar se posso ir buscá-la depois de uma festa Sexta-feira à noite.


O que vale é que só devo voltar a passar por isto se algum dia tiver filhos.

Do momento em que eu percebo que ninguém me liga...

Mas há sundae de doce de ovos? E ninguém me avisa? Seriously?!


Agora sim, acho que o blogue não serve para nada.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Dos momentos cruciais...

Armada em chique vim fazer uma drenagem linfática (abençoada Groupon).

Pois que cheguei meia hora mais cedo. Pois que isto calha de ser a cinquenta metros do sítio onde não vinha há uma eternidade e onde servem os segundos melhores croissants que conheço (os primeiros são ao pé de casa). Pois que estou a beber café a um metro dos benditos e a pensar na ironia do destino.


Isto promete.

Das conclusões óbvias...

Este blogue foi deixado ao abandono.


Assim, estão abertas candidaturas para quem o queira adoptar e estimar devidamente. É justo. É merecido. É compreensível.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Da Cookie... - VIII


A Cookie em 2016 também quer participar nos JOs do ténis... 
Não lhe bastavam já a prova de obstáculos, o salto em comprimento, 
a ginástica com fitas, os saltos para a água, ...

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Das conclusões muito espertas... - Parte II

Sabemos que devíamos ter feito fisioterapia quando, nove meses depois da fabulosa queda em Londres, ainda nós dói o tornozelo quando tentamos correr quinze metros.

Das conclusões muito espertas...

Hoje não foi um bom dia para recomeçar as minhas caminhadas Baixa-Marquês. Não foi, não.
Preciso de, no mínimo, menos dez graus de temperatura.

domingo, 16 de setembro de 2012

Dos momentos das férias...



Estas férias foram diferentes. Por muitos e variados motivos. 
Mas foram diferentes.

E ainda não me apeteceu escrever aqui sobre isso. Talvez um dia.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Dos retratos de um país em crise... - II

Eu não vou à manifestação de amanhã. Não vou.

Não acredito em manifestações.

Além de que, entre os dois empregos, amanhã é o único dia de folga que vou ter em... 13 dias. E ainda tenho uma tese para fazer.

E já disse que não acredito em manifestações?

Dos retratos de um país em crise...

Saio do trabalho. Vou levantar dinheiro para ir comprar tabaco. Saio do banco e penso: "vou ali à ABEP que a senhora é muito fofinha.".

Está um calor que não se aguenta, olho para o lado e está uma tabacaria. Ainda hesito, mas penso que o calor é mais forte do que a Senhora Fofinha.

Agridoce - "Boa tarde. Queria dois maços de Chesterfield."
Senhor, olhando para a nota de dez euros na minha mão - "Ahhh... Não tem mais pequeno? Notas de cinco ou moedas?"
Agridoce - "Não, levantei agora, só tenho isto."
Senhor com um ar miserável - "Ahhh... É que eu não tenho troco para isso..."

Senhor a olhar para os lados como se se fossem materializar trocos ali ao lado.

Agridoce - "Deixe estar, obrigada."

Fui à ABEP. Não estava a Senhora Fofinha mas estava o marido. Deu-me o que eu queria, não hesitou perante a minha nota (estamos a falar de dez euros para pagar sete e quarenta...) e ainda me desejou uma boa tarde e um bom fim-de-semana.

E é isto. É o país que temos. Numa das zonas mais movimentadas da cidade, temos de pedir por favor para comprar uma coisa. Depois venham dizer que isto está mau.