sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Da Irene...

Querida Irene,

Eu sei que não nos conhecemos e que deves estar a estranhar estar a escrever-te. É estranho, sim, mas precisava de falar contigo.

Nunca nos conhecemos e a verdade é que, não me leves a mal, eu gostava de nunca te vir a conhecer. Não é por nada, até gosto do teu nome, mas acho que não nos íamos dar bem. 

Ainda assim, escrevo-te porque gostava de te pedir um grande favor. Nesta altura deves estar a pensar porque raio havias de me fazer um favor, mas não desistas e continua a ler, por favor.

Eu gostava muito de te convidar a desviares a tua rota assim mais para o meio do Oceano Atlântico. Não é preciso muito, só o suficiente para não chateares muito quem está na costa. Achas que consegues? Era mesmo muito simpático da tua parte.

Daqui a doze horas volto a procurar-te para saber se acedeste ao meu pedido. Tenho a certeza que o teu bom senso e amabilidade te farão tomar a melhor decisão.

Eternamente agradecida,


Agridoce

1 comentário:

  1. Aahahah, espero que essa "Irene" não te persiga mais! ;)

    Beijinhos e bom fim-de-semana.

    Rita e Manuela ( A Turista Acidental*)

    ResponderEliminar