terça-feira, 31 de agosto de 2010

Das férias... (será desta?)

Daqui a pouco estarei a caminho do Algarve. Espero que desta vez seja a sério, já que da última não cheguei a lá estar 24 horas...

Companhia completamente diferente, propósitos completamente diferentes. Objectivo principal para mim: espairecer. Pôr as ideias no lugar. Assentar ideias. Pensar, repensar e voltar a pensar. Preparar-me porque começa a chegar a altura de tomar uma decisão. Uma decisão definitiva. Seja ela qual for. 

Vamos ver como corre.

domingo, 29 de agosto de 2010

Das coisas que me tiram do sério...

Isto irrita-me. Palavra que sim.

Irrita-me ter um blogue e não poder vir para aqui dizer tudo o que me apetece. Só porque não sei bem quem o vai ler a seguir.

Irrita-me. Pronto.

Claro que a solução é fácil. Ou não escrevo. Ou escrevo noutro blogue que ninguém lê. Eu optei pela segunda.

Mas, a bem da verdade, qual é a piada de escrever num blogue que ninguém lê? Nenhuma. Nenhumita.

E depois, depois há as pessoas que perguntam por nós, que mandam mails, que querem saber se está tudo bem. E depois, depois há as pessoas que nós sentimos que já fazem um bocadinho parte de nós (e nós delas, esperamos) e a quem sentimos que devemos dar explicações.

E depois ainda, depois há a vontade de partilhar, de despejar tudo o que vai para aqui para dentro. As dúvidas, as indecisões, os medos. O não saber o que fazer. O saber o que fazer mas não querer fazê-lo. Há tanta, tanta coisa. E irrita-me.

Irrita-me escrever por meias palavras quando queria escrever aqui dezenas, centenas, de palavras inteiras.



Mas fica a ideia: Obrigada a quem está desse lado, mesmo quando eu não escrevo, mesmo quando eu não digo o que quero (e preciso) dizer. Obrigada. Obrigada só por estarem aí.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Do regresso antecipado...

Blogue encerrado para balanço.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Do hoje...

Neste momento: entrevista de trabalho (nada de interessante, nada na minha área, mas trabalho) e depois ir a correr para o Reino dos Algarves onde vou estar a banhos até Sábado.

De caminho, pode ser que consiga almoçar em São Torpes *naquele* restaurante...

domingo, 22 de agosto de 2010

Das fotos das férias - Parte II

No início de Agosto passámos um fim-de-semana (muito) prolongado numa pequena aldeia perdida no meio de lado nenhum...
100 pontos para quem adivinhar o nome da aldeia!


Foi um fim-de-semana muito bem passado, com muita companhia, e da boa! Dei por mim a jogar ao Buzz e ao Meio Limão, coisa que já não jogava há muitos anos... Há muito tempo que não me ria tanto num fim-de-semana só! E ainda demos uns mergulhos na "nossa" barragem:


Depois do fim-de-semana, e já com a casa só para nós, aproveitámos para explorar as praias fluviais da zona.

Começámos pela do Mosteiro:


Depois fomos à de Ana de Aviz:


Onde eu aproveitei para refrescar os meus pés de princesa:


De seguida, fomos para a aldeia de São Simão, que é lindíssima e que vale a pena visitar, e onde existe a maravilhosa praia fluvial das Fragas de São Simão.

A aldeia:


A praia, lá muito em baixo, com as suas piscinas e cascatas:


Adorei o pormenor da Lontra na placa!


A praia/piscina:



No último dia, antes do regresso a Lisboa, ainda houve tempo para um passeio até ao Piódão, com um primo do marido. Nunca lá tinha ido e achei a aldeia muito bonita, muito típica, muito nossa. É um bocadinho de céu perdido no meio das montanhas. Mesmo com o caminho horrível para lá chegar, recomendo totalmente a visita!



De caminho, passámos por terras com nomes interessantes, daqueles que só encontramos no nosso país:





E assim se passaram uns dias num sítio onde gosto sempre de voltar, onde o descanso é garantido, e de onde voltamos sempre mais ricos.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Das compras...

Dado que ando em modo "contenção de gastos", já há imenso tempo que não comprava nada...

Mas hoje foi dia de Freeport e o balanço foi bastante positivo: 2 conjuntos da CK Underwear; dois tops e uns calções da Lefties. Tudo prenda adiantada do maridinho!

E o melhor é que já tenho outfit para o baptizado do fim do mês, coisa que me andava a dar cabo do juízo e que já achava que não ia conseguir resolver. E por dez euros apenas. Ando a especializar-me na arte de bem comprar (e poupar!).

E sim, os conjuntos da CK, mesmo no Freeport, foram caros. Mas quando houver marcas baratas que façam o meu tamanho de soutien, avisem...

E, já agora, vou, finalmente, estrear uns sapatos que andam há dois anos pela sapateira. Nunca ponham em causa a necessidade de comprar sapatos de uma mulher. Pode tardar, mas chega sempre a hora em que eles fazem mesmo falta! E se eu não tivesse estes ali guardadinhos à espera do seu momento, o look só tinha metade da piada!

Dos Senhores da Visão...

Os Senhores da Visão que me perdoem, mas não volto a comprá-la tão cedo.

Não consigo. A sério que não.

Quando comprei a primeira Visão escrita segundo as normas do novo acordo ortográfico estranhei logo. Fez-me confusão. Muita confusão. Mas pensei para mim que era tolice minha. 

E voltei a comprar. E imediatamente decidi não voltar a comprar mais. Até não ter mesmo alternativa.

Eu percebo a lógica do acordo ortográfico. Porque percebo. Não sou daquelas nacionalistas convictas que acha que Camões está a dar voltas no túmulo. Não creio que esteja. A língua sempre sofreu alterações, a únida diferença é que agora são muitas ao mesmo tempo e forçadas, e não naturais e resultantes da própria evolução da língua. Mas, por mim, tudo bem. Só vou é tentar evitá-lo o mais possível, enquanto puder.

Enquanto ele não for adoptado pelas escolas, pelos Governos, pela sociedade em geral, eu também não vou adoptá-lo.  Porque estou no meu direito e porque não me apetece.

É só isso.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Das decorações... - Parte II

Nova tentativa, agora com legenda:


Qual Van Gogh, qual quê! Eu sim, sou uma artista incompreendida...

Dos devaneios...

Há dias calhou em conversa o que faríamos se nos saísse o Euromilhões. Eu não jogo, por isso não me podia sair. E também não pedia os milhões todos. Pedia só 500 mil euros. E se me saíssem 500 mil euros eu...

... gastava entre 250 e 300 mil euros na nossa casa de sonhos, já com mobília incluída. E com um piano, claro.
... comprava um carrinho melhor para mim, mas para isso não era preciso muito. E comprava ao marido o carro que ele quisesse.
... abria o meu negócio, e para isso deviam bastar uns 20/30 mil euros.
... e não sei o que mais...

Podia dizer que fazia uma viagem à volta do Mundo, mas acho que tinha mais piada todos os anos fazer uma grande viagem do que fazer tudo de seguida.

Também podia dizer que comprava resmas de sapatos, roupa, malas, etc. Mas duvido que conseguisse gastar mais do que uns milhares de euros nisso. Podia ser milionária, mas ia continuar forreta!

E acho que dava o dinheiro que sobrasse ao meu pai. Só porque sim. Só porque ele merece.



Pensava que isto ia ser muito mais giro... Mas não. Ou sou eu que me contento com pouco, ou o dinheiro não interessa mesmo nada.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Dos meus passeios...

Hoje fui passear até aqui...




Edit: Obrigada eu, por poder participar!

Das decorações...

Já andava com isto na cabeça há uns dias e hoje cheguei a casa e, em cinco minutos, tínhamos mais um quadro pendurado.

Material: uma parede vazia entre duas portas e um quadro abandonado em cima da secretária do escritório, um martelo, um prego, uma fita métrica e um lápis.

O antes:




O depois:
                            

Dos comentários...

E dado que os Senhores do Blogger criaram uma ferramenta para detectar eventuais comentários de spam, voltamos ao modo de comentários livres, sem moderação. Resolvi experimentar activar apenas a moderação para comentários em mensagens mais antigas. Vamos ver se resulta.


Agora espero não ter outra surpresa desagradável da próxima vez que for de férias...

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Dos pequenos prazeres... - Parte II

E de ontem para hoje engordei 800 gramas. Bem feita Agridoce Maria. Da próxima vez que me quiser agarrar ao queijo e ao vinho (e à Viennetta) vou lembrar-me disto.



Por outro lado, no campo das boas notícias, apareceu mais um trabalhito para esta semana, o que é sempre positivo.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Dos pequenos prazeres...

Comer queijo e beber vinho. Há lá coisa melhor para um final de dia?





Edit: alguém falou em colesterol?

Das tarefas estupidamente longas...

E hoje acabei, finalmente, os álbuns do meu casamento. Já estão encomendadinhos e agora resta-me esperar por eles. Deram uma trabalheira enorme e houve alturas em que pensei desistir. Mas acho que vai valer a pena.

The things I like... - VII

Música.

Adoro música.

Durante muito tempo da minha vida, estava sempre rodeada de música. Lembro-me que quando fui morar para Coimbra, no primeiro dia em que lá cheguei e fui ao supermercado comprar os primeiros mantimentos, telefonei ao meu pai a pedir autorização para comprar também um leitor de DVDs com sistema de som, para poder ouvir os meus CDs. Ainda hoje me faz uma confusão tremenda conduzir sem música, por exemplo.

Oiço todo o tipo de música mas contam-se pelos dedos de uma mão os grupos/artistas que gosto mesmo de ouvir. No meu Top 5 temos: Jeff Buckley, Jorge Palma, Radiohead e Rui Veloso. Pois. Não consigo sequer fazer um Top 5. Não é que não goste de mais nada, que gosto, mas estes nunca me canso de ouvir. Estes, arrepiam-me hoje como no dia em que os ouvi pela primeira vez. E tenho a sorte de já ter assistido a concertos de todos, excepto do Jeff, claro.

Melhor do que ouvir música, são bons concertos. E nunca me esquecerei do concerto dos Radiohead no Coliseu e do que senti quando o concerto acabou. Foi um dos melhores concertos a que assisti. E eu já assisti a muitos, trust me.

E depois há o piano. A minha paixão pelo piano. Um dia, se tiver muito dinheiro, vou comprar um piano. E sei que vou passar horas sentada a (tentar) tocar. Se tiver mesmo muito dinheiro, vou voltar a ter lições. E vou tocar a sério. É uma sensação tão boa, tão agradável, tão mágica. É como escrever, acho. Mas mais pessoal, diria eu. Mais intimista. Pode parecer estranho, porque o piano toda a gente o ouve e a escrita só a lê quem quisermos. Mas o tocar do piano é uma sensação só nossa. Os outros podem ouvir, mas não podem sentir.

Podia viver sem televisão, mas acho que nunca poderia viver sem música.

domingo, 15 de agosto de 2010

Do meu carrito...

Eu adoro o meu carrito. Adoro mesmo. Já fizemos muitos milhares de quilómetros juntos e nunca me deixou mal.

Mas ando a pensar trocá-lo. Já aqui falei nisso, quando ele fez 18 anitos. E agora, ando a pensar nisso outra vez. É que ele agora não quer pegar. Só ao fim de umas quantas tentativas é que pega. E eu tenho medo que um dia não pegue de vez.

Por outro lado, esta não é, de todo, a melhor altura para trocar de carro. Mas eu vi um que era mesmo o que eu queria... E nem sequer é caro... E agora ando com isto na cabeça...

Trocar ou não trocar? Eis questão.

sábado, 14 de agosto de 2010

Dos senhores do CDS...

E não é que estes senhores, de quando em vez, têm boas ideias?


E mais, não só têm boas ideias como devem ter escutas cá em casa. Há dias vi uma notícia na televisão sobre desempregados de longa duração a quem deram a tarefa de limpar o rio Cavalum, em Penafiel. E além de achar muito bem, depois de ver mais umas quantas notícias sobre incêndios, comentei com o marido que se devia pegar nos milhares de pessoas que estão a receber o RSI e o subsídio de desemprego, e pô-las a limpar florestas, a fazer prevenção, a fazer vigia, etc.

Temos um património florestal riquíssimo e vastíssimo, que todos os anos é destruído e é reduzido. E temos milhares de pessoas a receber apoios do Estado e que estão em casa sem fazer nada. Não é muito difícil juntar 2+2 e dar 4.

E sim, nós andamos a descontar para a SS para depois termos direito ao subsídio de desemprego, quando for caso disso. Mas será assim tão injusto, tão cruel, tão difícil, tirarmos o rabo do sofá e contribuirmos para um país (e um Mundo) melhor? Será que é mesmo pedir demais? Ou é apenas pedir um bocadinho de bom senso, de civismo, de espírito de comunidade?

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Da (falta de) vontade e do calor...

E a vontade que eu tenho de ir trabalhar para a Baixa com este calor tão agradável? É que é tanta!...

Só me consola mesmo é a parte de ir trabalhar. Porque trabalhar significa euros e eu já não estava a contar que houvesse trabalho este mês. Mas há. Há hoje e mais um dia para a semana. E isso é bom. Muito bom.

Sempre me posso consolar com um belo geladinho antes e depois.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Dos sonhos...

Ontem sonhei contigo. Já não me lembro de tudo e o pouco de que me lembro está meio desfocado. Mas é a segunda vez em pouco tempo que sonho contigo.

Desta vez, sonhei que nos reencontrávamos. Não sei onde, nem porquê. Sei que estávamos bem, calmos, tranquilos, felizes. A pôr a conversa em dia. Dizias-me que tinhas casado. Eu dizia-te que não te via casado. Tu rias-te e dizias que também não me vias a mim casada. Mas que estavas feliz. Que estavas a fazer o que gostavas e cada vez com mais sucesso. Esta última parte acredito que seja verdade. O resto, não faço ideia.

Às vezes, penso em ti. Lembro-me de ti. Pergunto-me se estarás bem. Acredito que sim.

Lembro-me de ti porque tu ajudaste-me a ser quem sou. Acho que tu foste a única pessoa que esteve lá durante as duas depressões porque passei. Estiveste lá na primeira, salvaste-me do abismo. E estiveste lá na segunda, anos depois, obrigando-me a seguir em frente e a encontrar um rumo para a minha vida. Tu estiveste sempre lá. Quem me via contigo não percebia, achava estranho. Mas só quando estava contigo é que eu falava. E mesmo quando eu não falava, tu percebias.

Lembro-me de irmos para as aulas juntos e lembro-me de te dar na cabeça para ires às aulas. Lembro-me de esperar por ti nos intervalos. E lembro-me de ir ter contigo ao "nosso" café quando as aulas acabavam. Lembro-me que gozavas comigo porque pedia um bule de chá e uma tablete de chocolate. Lembro-me de leres o que escrevia, comentares e dizeres que gostavas. Lembro-me de termos planeado um projecto de escrita a dois, que não me lembro se chegámos a iniciar. Lembro-me de tanta coisa. Lembro-me de horas passadas a trocar mensagens e de horas de conversa no IRC. Lembro-me das fotografias que tiraste aos mémés na tua terra no fim do mundo, porque sabias que isso me faria sorrir. Lembro-me do livro que me ofereceste um dia, e cujo título só muito tempo depois eu percebi. Lembro-me de tanta coisa boa e nenhuma má.

Tenho pena, tanta pena, que as nossas vidas se tenham afastado. Que nós nos tenhamos afastado. Tenho pena porque tu foste um verdadeiro Amigo, nos bons e nos maus momentos. E eu nunca esquecerei isso. E estarei eternamente grata por tudo o que me ensinaste, por me teres feito crescer, por me ajudares a ser quem sou. Obrigada.

Das fotografias das férias (finalmente!)

O meu pé, pela primeira em vez, nas águas do Adriático.

A nossa amiga Gaivota e a côr maravilhosa da água.

À espera de vez para atravessar o canal de Osor.

O nosso barco em Osor, uma terra muito pequena mas muito gira onde comemos umas pizzas óptimas.

Em Vali, onde passámos a terceira noite, e onde tivémos de nos amarrar a outro barco, porque só havia meia dúzia de lugares onde atracar.

Ainda em Vali, um dos sítios mais giros e mais "castiços" que visitámos.

Um barco a transportar caixotes do lixo (e porque não?).

Em Olib, onde apanhámos um susto enorme com o temporal.

Em Mali, a maior terra que visitámos, já muito virada para o turismo, com muitas lojas e restaurantes, mas pouca coisa interessante para ver.


Unije, onde decidimos não atracar para evitar outro susto.

O nosso, e dezenas de outros barcos, ancorados numa enseada, para nos protegermos do mau tempo.
Não há fotografia que demonstre a beleza desta imagem e deste momento. Subimos esta encosta a pé e descemos o outro lado para ir jantar a Unije.

Jantar e pôr-do-Sol em Unije onde nos disseram que éramos os primeiros portugueses na ilha (será que dizem o mesmo a todos?).

Na recta final, já em Pula, no Anfiteatro Romano

Eu no Anfiteatro!




E foi assim... As imagens não valem nada, neste caso, mas foi uma viagem inesquecível e já andamos a pensar na do próximo ano!


quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Das férias (já são outras...)

Eu sei que ainda não pus as fotos da Croácia. E também sei que já dizem por aí "Ah e tal, ela não foi para veleiro nenhum na Croácia, ela foi para um Camping na Caparica". É merecido. Mas só ontem tive as fotos e ainda não tive tempo/paciência para as seleccionar, trabalhar e colocar aqui.

E como entretanto vou de férias (outra vez), depois coloco fotos das férias todas. Desta vez, vou para um pequeno paraíso no nosso país, daqueles onde há muito verde, muita água, e não há coisas como rede de telemóvel. Descansinho absoluto e do bom.

Não é que eu esteja muito cansada. Que não. Porque na verdade este mês não se trabalha. Mas sabe sempre bem.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Das memórias de infância... - II

Tenho saudades de jogar Risco.



Imagem descaradamente roubada de um qualquer site.
E não consegui encontrar nenhuma imagem da versão que andava (e há-de andar) lá por casa.